DILMA ROUSSEF : “A REVOLTA NORDESTINA...”

Por:  Pettersen Filho

O desempenho da Candidata à Reeleição à Presidência da República pelo PT - Partido dos Trabalhadores, Dilma Roussef, na Região Nordeste do País, muito acima da Média Nacional, suplantando de longe o Candidato da Oposição, Aécio Neves, do PSDB,  com firmes fundamentos no Sudeste, Centro Oeste e Sul brasileiros, por  razões Étnicas, e Históricas, põe em xeque o atual Sistema Eleitoral brasileiro, causando profundas preocupações no Comitê de Campanha do Senador Mineiro, prometendo transformar o Segundo Turno das Eleições no Brasil em verdadeira Guerra de Secessão.

Leia mais...

HONG KONG : “ A CHINA X A CHINA...”

Por : Pettersn Filho

Tratada como uma espécie de “Nova Kiev”, Capital da Ucrânia, até bem pouco tempo sob a órbita da influência Política da Rússia, até que a Europa e os EUA, aliados à Movimentos pontuais de Insatisfação Interna, sublevassem a “Ordem” Constitucional da Ucrânia, arrebatando-a da Rússia, e lançando-a numa Guerra Civil com potencial para arrastar toda a Europa, novo ponto de tensão Política ocorre, agora, nos mesmos moldes, às Margens do Pacifico, na China, mais precisamente, em Hong Kong, na novíssima Mobilização Política dos Estudantes do Antigo Protetorado Britânico, reentregue à China, em 1997, tendente a instalar na China um novo Front de tensão, entre Ocidente e Oriente.

Leia mais...

MARINA NA HORA DA VERDADE. QUE POSIÇÃO DEVE ASSUMIR NO 2º TURNO?

Por : Celso Lungaretti

"Política é propriedade", definiu o escritor Norman Mailer. Os profissionais deste ofício acumulam um certo capital e, mesmo nos reveses, tentam fazê-lo crescer. 

No caso presente, o da candidata derrotada Marina Silva, a moeda usual pela qual poderá trocar seu acervo de votos e as declarações de amor eterno a um(a) dos finalistas, seria(m) ministério(s) para si ou para seu partido no eventual governo daquele com quem fechar o acordo.

Leia mais...

COMO SE PERPETUAR NO PODER GRAÇAS AO ASSISTENCIALISMO E AO CLIENTELISMO GOVERNAMENTAL

Por :  Roberto Romanelli Maia

Nos últimos 14 anos, de 2000 a 2013, o número de beneficiados que passou a receber do governo federal ajuda financeira, pulou de aproximadamente 28,6 milhões para 75,1milhões, com um acréscimo de 46,5 milhões de habitantes que passaram a receber tais ajudas. Este numero representa mais de um terço da população, ou cerca de 37% da população brasileira, que atualmente é de 200 milhões de habitantes. Se a estes números somarmos outros benefícios, que são dados através de outros tipos de auxílio e de empréstimos praticamente a fundo perdido, teremos certamente mais de 80 milhões, que recebem algum tipo de beneficio do governo federal, sem contarmos o que é distribuído nas mesmas condições e para as mesmas pessoas pelos governos estaduais e municipais.

Leia mais...

OS NOSSOS NOVOS MONARCAS

Por : Valmir Fonseca Azevedo Pereira

Breve, brevíssimo, estaremos onde os incautos ambicionam, no fundo do poço.

Na história da humanidade, a maioria dos povos sempre amoldou - se como sobreviveria imersa na sanha de uns poucos, que sabedores de que a massa não vive, mas vegeta, assumem o poder sobre as submissas sociedades.

As sociedades, brancas, pretas, sabidas ou burras, licenciosas ou religiosas, têm como ponto comum a inércia e a inépcia.

 

Infelizmente, esta é a nossa história.

Leia mais...

O DIVÓRCIO DA POLÍTICA E DA ÉTICA

Por António Justo

Para se intervir na História tem de se entrar no Interior dos Conflitos politico-sociais. A Política tem vivido do Ser e não do Deve Ser.

Um divórcio não acontece de repente, vai-se dando até que acontece. Política e ética tendem a divorciar-se a partir do Renascimento. Até aí orientavam-se pelo dever ser e a partir daí, especialmente com “O Príncipe” de Maquiavel (1469 - 1527) passou a centrar-se na materialidade do ser sem a componente idealista anterior (platonismo). Maquiavel, o iniciador da modernidade política, considera as coisas como são e não como deveriam ser, por isso não está interessado na ética. Só reconhece a realidade material na política, querendo-a auto-suficiente: “os fins justificam os meios”.

Leia mais...

CANCELADO...: SARAU POESIA COM TORRESMO DE SÁBADO 04/10

Por : Pettersen Filho

Evento que acontece todo Primeiro Sábado do Mês na Capital dos Mineiros, Belo Horizonte, no Bethônico Bar ( https://www.facebook.com/bethonicobarr ), à Avenida Deputado Anuar Menhem, 1063 – Bairro Santa Amélia, o Sarau Poético “Poesia com Torresmo”, previsto para o dia 04/10/2014, devido a intercorrência das Eleições, e o evolvimento de muitos dos Poetas com o Processo Eleitoral, foi cancelado, esse mês, com previsão de retorno para o próximo, em Novembro.

Leia mais...

ABDIC CONDENADA NA JUSTIÇA...: “APENAS MAIS UMA FORMA DE CENSURA.”

Por : Pettersen Filho

Publicação ocorrida hoje, 30/09/2014, no Diário de Justiça do Estado do Espirito Santo, proferida pelo Douto Juiz de Direito da 7ª Vara Cível da Comarca de vitória/ES, nos autos do Processo nº 0023074-95.2012.8.08.0024, pelo Meritíssimo Juiz de Direito, Dr. Marcos Assef do Vale Depes, mais uma vez, de novo, novamente, Condena a ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Indivíduo e da Cidadania, entidade combativa, Sem Fins Lucrativos, voltada à Defesa do Consumidor e à Cidadania, à pagar as custas processuais, e honorários advocatícios no valor de R$1.000,00 à parte Ré, a Empresa Gaúcha Provedora de Serviços de Internet, quem mantinha o Site da ABDIC, à época do processo instaurado contra si pela ABDIC, Hostnet Digirati Serv. de Informática, segundo a Associação, por haver, numa forma arbitrária de Censura, retirado o Site da ABDIC da Rede Mundial de Computadores.

Leia mais...

LIVRES : “ELEIÇÕES LIVRES...”

Por : Pettersen Filho

Finalmente, após intransponíveis 45 dias de Propaganda Eleitoral Gratuita, no Rádio e na Televisão, veiculada no período de 19 de agosto a 02 de outubro de 2014, terminará nessa próxima Quinta Feira, dia 02, o Horário Eleitoral Gratuito, verdadeiro atentado jurídico à Consciência de todo Cidadão Brasileiro, obrigado, por Lei, a suportar, na intimidade do seu Lar, na Sala de Televisão, ou no Rádio, em seu Automóvel, enquanto vai para o trabalho, tal Lixo Autoritário, ainda resquício de expedientes da Ditadura, em que o Legislador quis assegurar, com tinta de caneta, a suposta “Democracia” Tupiniquim, do “Voto Obrigatório” e da “Propaganda Eleitoral” Goela Abaixo, dando margem à um Espetáculo Circense, com direito à Exposição de Candidato Palhaço, tipo Tiririca, e de um Delegado Tacanho, com o mote de Campanha: “Vote em mim, se não você vai morrer”, ambos, favoritíssimos em seus respectivos Estados, refletindo a desesperança no “Sistema” do próprio Eleitor.

Leia mais...

OS POSTES

Por : Maria Lucia Victor Barbosa

No meu primeiro livro, O Voto da Pobreza e a Pobreza do Voto – A Ética da Malandragem, editado por Jorge Zahar, escrevi:

“É necessário que o candidato em seus discursos aborde problemas cotidianos e use uma retórica exaltada, eivada de ideologia cabocla de justiça social, pois é necessário ressaltar a diferença entre ricos e pobres e clamar por vingança contra os que no momento ou no passado não conseguiram satisfazer as aspirações populares”.

Leia mais...

ELEIÇÕES E COISAS SÉRIAS...

Por : Adriano Benayon

Os candidatos que se apresentam em oposição à atual presidente, com chances - tanto Marina, como Aécio – dizem-se defensores da  “liberalização” da economia brasileira.

Na verdade,  adotam ostensivamente o projeto pró-imperial, como  decorre não só de seus “programas”, mas também de suas trajetórias e de quem os financia; do apoio da grande mídia, instrumento  tradicional dos concentradores econômicos transnacionais e locais;   dos  formuladores de suas políticas econômicas, ligadíssimos à oligarquia financeira angloamericana.

Leia mais...

BATALHA CAMPAL : “... ALGUMA COISA ACONTECE NO MEU CORAÇÃO, SÓ QUANDO CRUZA A IPIRANGA E A AVENIDA SÃO JOÃO...”

Por : Pettersen Filho

Eternamente poetizado, o Cruzamento da Avenida São João com Ipiranga, bem no Centro Velho de São Paulo, na Musicalidade Genial de Caetano Veloso, feito em outrora, Época mais Romântica, em que a Poesia contrastava com o Asfalto, e “... a Força da grana que ergue e destrói Coisas Belas...”, a Capital Paulista, assistiu, estarrecida, na desocupação de um Velho Prédio, invadido pelos ditos Moradores Sem Teto, uma das várias “Agremiações” surgidas nos últimos tempos, ávidas a preencher o atual Vazio Político, deixado pelas Administrações Municipais, Estaduais e Federais, absolutamente incapazes de atenderem, além do mero Discurso, as prementes Demandas Sociais, transformou-se em uma verdadeira Batalha Campal, entre Polícia Militar, e os Manifestantes, no ato da desocupação do Prédio pela Justiça Paulista.

Leia mais...