DEMÓSTENES TORRES : “QUANTO VALE UM SENADOR DA REPÚBLICA ?”

Por : Pettersen Filho

Flagrado em suspeitíssimas ligações telefônicas durante as Investigações da “Operação Monte Carlo”, que muito bem poderia se chamar, eventualmente, “Monte Bonghausen”, “Monte Agripino Maia”, “Monte Ideli Salvatti” ou “Monte Jader Barbalho”, dirigida a qualquer um membro da Panacéia que é a Vida Político-partidária Brasileira, com a mesma propriedade, e pirotecnia, com que a PolíciaFederal , habitualmente, denomina suas diligências, o Senador Demóstenes Torres acaba de renunciar a sua “Sigla Partidária”, na qualidade de Político ligado aos Democratas , Ex-PFL, evitando, assim, sua possível Desfiliação compulsória.

 

Script dantes visto, em outros rotineiros Escândalos que, de vez em quando, assolam a República Federativa do Brasil , tamanha a promiscuidade, e a gênese corporativa, com que se dá o “Exercício” do Poder no Brasil , sempre alavancado por “Partidos de Aluguel”, ou “Lobbys Espúrios”, representativos de “Interesses Particulares” de alguns Políticos , ou “Grupos Econômicos”, em que o “Denunciado”, na eminência de ser Cassado , ou Expulso do seu Partido, “Desfilia-se”, procurando não atrair para o “Lamaçal” o próprioPartido , ou as Instituições da República , mero afã, para evitar tal conseqüência, em que pese a novíssima vigência da Lei Ficha Suja , tal Desfiliação, no entanto, já era mais do que esperada.

Perguntado, quando da Desfiliação do “Colega” do Partido, o Presidente dos Democratas, Senador Agripino Maia , num tom aliviado, apressou-se em informar, em meio a explicações da “Grandeza do Ato”, que visava retirar do “Constrangimento” o próprio Partido , ao ser perguntado se o Colega seria “Punido” pela desfiliação, diligente, informou que não , pois não teria ocorrido, supostamente, a “Infidelidade Partidária”, pressuposto para que o Partido requeresse, como seu, “Partido”, o Mandato Político do Senador Demóstenes , demonstrando, minimamente, o quão é, de certa forma, “Natural”, a pratica Partidária, ou do “Político”, em geral, no Brasil, eventualmente “punido”, não pelo Crime , mais por ser havido “Flagrado” cometendo o delito...

Tanto mais grave o caso por tratar-se do, até então, “Prestigiado” Senador Demóstenes Torres , uma espécie de “Paladino da Justiça”, egresso dos próprios quadros do Ministério Público, Promotor de Justiça de Carreira , ávido acusador dos seus pares, quando pegos em flagrante, como no “Mensalão do PT”, em 2006, ou mesmo no dito “Mensalinho do DEMO”, ano passado, no Distrito Federal, cujo mote de Campanha “Abaixo a Corrupção e contra o Golpismo” , Demóstenes Torres foi gravado pela Polícia Federal, supostamente, recebendo Um Milhão de Reais do Contraventor Carlinhos Cachoeira , Operador do Jogo do Bicho e de Máquinas Caça Níqueis, a quem o “Nobre Senador da República”, cerimoniosamente, trata por “Professor”, demonstrando a que “Serviços” se destinava o seu, ou outro qualquer, Mandato de Senador da República, eventualmente, no Brasil.

Incumbido pelo Contraventor de fazer tramitar, pelo menos, um Projeto de Lei que legalizasse o Jogo, o Senador DEMÓstenes , o mesmo sufixo “Demo”, de “Democracia”, de “Democratas”, ou de “Demônio”, que decida o Leitor onde melhor se encaixa, segundo as gravações, não estaria sozinho na inconveniente “Relação” com o Bicheiro, mais, traria consigo no “Esquema”, pelo menos uma meia dúzia de Deputados Federais da República, todos aos seus préstimos, ou, pelo menos, financiados por ele.

Situação emblemática, que nos remete ao passado recente, e as glorias de outrora, que tivera o próprio Ex-presidente Collor de Melo , dantes chamado de “Caçador de Marajás”, em sua meteórica Campanha que o levou, via Mídia Global à Presidência da República, até que estourasse o Escândalo da “Casa da Dinda” e de PC Fárias, culminando no seu Impeachament , o atual caso promete, mesmo, deixar sem dormir muitas das autoridades ligadas ao cerne do “Poder” no Governo de Goiás, quiça, no próprio Palácio do Planalto , e ao seu “Séquito”, que, por via transversa, mediante Corrupção Rifa cotidiana de Cargos , ou Ministérios , assegura a “Boa Governabilidade” no dilapidado Brasil de “Hoje, Ontem e,...

Sempre ???”

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.