DEMÓSTENES TORRES CASSADO: “MENOS UM...

Por : Pettersen Filho

Pondo fim a Processo que já se arrastava há pelo menos três meses, finalmente, o Senado da República Federativa do Brasil cassou, aos Onze Dias passados do Mês de Julho do Ano de Dois Mil e Doze do Nascimento de Nosso Senhor, Jesus Cristo, o Mandato Parlamentar do Senador Demóstenes Torres , quem fora flagrado em diversas ligações telefônicas, pela Polícia Federal , a serviço do Crime Organizado , em Linha Direta com o Contraventor Carlinhos Cachoeira , cuja Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, no entanto, continua, ainda sem definição.

 

Cassado em emblemática Votação , que, apenas por acaso, o Cassou , como, também, poderia não fazê-lo, face a ter se dado sob o “Manto Sagrado” do Anonimato , em Votação Secreta, onde poderia, perfeitamente, ter se dado o Corporativismo , enfim, o Espírito de Corpo , onde Decência Ética não atuam como elementos consagradores ao Resultado , Demóstenes Torres foi Cassado , não pelos “Crimes” que, supostamente, cometeu, Tráfico de Influência, Formação de Quadrilha, Corrupção Ativa e Passiva , mas, foi Cassado pela suposta “Quebra de Decoro Parlamentar”, signifique o que signifique tal “Crime”, segundo seus Pares , todos eles Senadores da República, por ter “Mentido” na Tribuna da Casa , ao falar que Crime algum houvera cometido, no instalar do Escândalo “Cachoeira”.

Constrito por Votação massacrante, cujo escore 56 Votos a favor da Cassação , contra !9 pela Mantença do seu Mandato , e 05 Abstenções , dos 81 Membros da Casa , menos um Senador Ausente , tal Votação exprime, muito bem, o Pensamento Médio da Casa , em que substancial Parte de seus Componentes não viram Crime algum cometido pelo seu Par , Senador Demóstenes Torres .

Tendo saído do seu Mandato , ainda atirando, sob promessas de Recurso ao Supremo Tribunal Federal , por ter lha faltado a Ampla Defesa , coisa que, seguramente, na perspectiva de um Processo Jurídico Democrático , certamente, faltou-lhe, mas, Julgado , não pelos seus Crimes , mas pela Política de Conchavos e Comprometimentos que rege a Vida Pública Tupiniquim, a indicar ao Senado o bendito Sacrifício de um de seus Membros , em nome da “Transparência” que deveria reinar na mais altiva Casa Republicana do País, o, agora, Ex-senador , certamente, voltará as suas Prerrogativas Vitalícias de “Procurador da Justiça” do Ministério Público do Estado de Goiás , seu Estado Natal, onde, certamente, poderá, agora sim, mais uma vez, atuar em definitivo em favor do seu “Padrinho Político”, o Senhor Carlos Cachoeira .

Enfim, resumo da História :

Senado da República Federativa do Brasil perde um dos seus mais destacados Membros , antes, inflexível, na Caça à Corruptos , enredado em sua própria Arapuca , e ganha o Ministério Público do Estado de Goiás , de volta, um dos seus Membros , antes, “Licenciado”, a disposição do Senado Federal, onde cumpria Mandato Político em nome do Estado .

Apenas, menos um, dentre os outros 19 que o apoiaram, em Brasília/DF.

Crônica postada originalmente em www.paralerepensar.com.br

 

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadã”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.