EGITO : “DA PRIMAVERA ÁRABE AO INVERNO SANGRENTO...”

  • Imprimir

Por : Pettersen Filho

Por mais que louvável seja a Democracia , como forma de Governo , aventada por muitos, defendida por todos que acreditem em princípios de igualdade e soberania popular, muito embora, e apesar disso, desprezada por vários Países, Planeta afora, graças ao Jogo Geopolítico do Imperialismo Mundial ,, por vezes, mera Matéria de Discurso Protocolar nas Embaixadas e Repartições da ONU – Organização das Nações Unidas, longe do real anseio de muitos Governos ditos “Nacionais”, não há, ademais, na Península do Deserto do Sinai , um só Camelo , ou nas areias tórridas do Deserto do Saara , um só Escorpião Peçonhentos que, não saibam, que tudo que acontece no Egito , passa, necessariamente, por Washington ou Telaviv .

 

Assim é que, festejada, há cerca de dois anos atrás, quando populares derrubaram o Regime Ditatorial na Tunísia, alastrando o “Fogo da Liberdade” por todo Norte da África e Oriente Médio, passando por Síria , Líbia , Bahrein e o próprio Egito , no que ficou sendo conhecido como a “Primavera Árabe”, culminando na deposição do próprio General Hosni Mubarak , no “País dos Faraós”, após quase trinta anos de Ferrenha Ditadura, eleições livres, finalmente, levaram ao Poder, há pouco menos de um ano atrás,