DIPLOMACIA: MUDOU A ONU, OU MUDOU A DIPLOMACIA !???

Por : Pettersen Filho

Tendo a ONU – Organização das Nações Unidas , como seu ápice a Abertura da Assembléia Geral, em Manhatann, EUA, em que, por mera questão de Tradição , cabe ao Brasil o Discurso de Abertura, feito, essa semana, pela própria President”a” Dilma Roussef, quem dedicou-se, esperdiçadamente, a denunciar o recente monitoramento pela CIA/NSA, Agências de Espionagem Norte-americanas , diminuindo o destaque que tal Discurso possa vir a ter para o País, o qual deve, ele mesmo, autopoliciar-se, e desenvolver Institutos próprios de Contra - espionagem , e não esperar que a Comunidade Internacional se apiede dele, diferente de outras edições, meramente protocolares, tendentes a reproduzir o “Discurso”, e Interesses Norte - americanos , dessa vez, contudo, houve na ONU espaço para que formalizassem Conversações de Primeira Linha, por exemplo, Irã e EUA, há mais de trinta anos sem alimentarem quaisqueres conversações diretas, em que pese as acusações contra o Programa Nuclear Iraniano.

 

Pela primeira vez, nas ultimas décadas, os Americanos, desde a Invasão Unilateral do Iraque e Afeganistão, a revelia da ONU, refreados pelos Russos , no seu inabalável intento de bombardearem Damasco , a pretexto do uso de Armas Químicas no País (Nada se falou do Egito , onde milhares de Muçulmanos estão sendo aniquilados pelo Governo), sabe-se lá se por autoria dos Rebeldes , armados por alguns Sultanatos Árabes , e pelas Potências da OTAN , ou se por Assad , o que equivaleria a jogar bombas no próprio quintal de Moscou , quem detém Bases Navais importantíssimas para acesso Russo ao Mediterrâneo , os EUA, na verdade, foram vencidos, não pela “Truculência” habitual dos Russos , que ameaçavam revidar qualquer ataque, o que incendiaria todo Oriente Médio , inclusive Israel , mas pela “nova sagacidade” de Moscou , que, ao invés do Confronto , criou uma “Armadilha” de possível entrega das tais Armas Químicas que possui Damasco , em troca do Não-ataque, dando espaço para uma “Saída Honrosa” aos EUA, quem não aceitariam, em hipótese alguma, uma Saída menos beligerante, se não o acordo costurado de ultima hora por Moscou , ante ao que, sucumbiram os Americanos.

Igual encaminhamento, parece também, ter sido dado ao “Caso Irã”, usualmente hostilizado por Washington , em razão do seu Programa Atômico (Nada se falou de Israel , única Potência Atômica do Oriente, não submetido ao Tratado de Não Proliferação). pela primeira vez, travando Negociações Cara-à-cara, entre autoridades Americanas e Iranianas, algo totalmente improvável, desde que o Regime dos Aiatolás seqüestrou e manteve reféns Americanos na Embaixada, em Teerã, logo após a assunção do Poder, em 1979, terminando no fiasco da Operação de Resgate, em que toda uma esquadrilha de aviões/helicópteros Norte-americanos se espatifaram no Deserto.

O que teria, então, ocorrido com a ONU , habitualmente instrumento das vontades políticas de Washington , e seus aliados Europeus, França e Inglaterra, de menos a China e Rússia, quem, obstinadamente, fazem oposição aos Americanos no Conselho de Segurança do Órgão?

Estaríamos caminhando para uma nova ONU, no desenhar de um Novo Equilíbrio de Forças Planetário ?

Sinceramente, acho que não.

Tais conflitos, como na Síria , e, possivelmente, no Irã , ao meu ver, somente foram adiados, tendentes a reaparecerem, talvez, na Fronteira do Quênia e da Somália, ou da Coréia do Norte com a do Sul, meros artifícios utilizados para dissimular a eterna rivalidade entre Ocidente e Oriente, Judeus e Árabes, Norte e Sul, Países Desenvolvidos e Potências Periféricas Fantoches, como é o caso do próprio Brasil, que não se respeita...

E por isso não é levado a sério!

Crônica Publicada originalmente em www.paralerepensar.com.br

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, ALÉM DE SÓCIO CORRESPONDENTE DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLOGIAS,  POLÍTICAS E SOCIAIS DOM VASCO FERNANDES COUTINHO, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO