O TENENTISMO NO SÉCULO XXI

Por : Valmir Fonseca Azevedo Pereira

Em inúmeras oportunidades, enfatizamos a leniência das autoridades militares diante de diversos desmandos do anterior e do atual desgoverno em relação à sociedade e às próprias Instituições Militares que amiúde são vilipendiadas. O silêncio dos chefes militares para muitos atingiu às raias do incompreensível, e impressiona a ausência da menor tentativa de demonstrar um recatado gesto de desagrado. Quando relembramos os sapos engolidos durante a vigência petista, coroando um revanchismo que parece não ter fim, nos deparamos com a inefável Comissão da Verdade e a trilha de investigações que a famigerada camarilha percorre na tentativa de massacrar o Estamento Militar. Com estardalhaço, a mídia estampa que agora investigam a morte do Jango, do Juscelino, de índios, e assim sem limites e sem o menor senso, a cada dia querendo apossar - se de qualquer coisa que possa aviltar ainda mais o seu arcaico inimigo, as Forças Armadas.

 

Vimos que por razões desconhecidas, as autoridades militares quedam - se à espreita ou à espera.

Como historiador, ao escrever “ A Formação da Identidade do Exército Brasileiro através de sua Evolução Histórica ”, obra considerada de pouca profundidade pelos entendidos, entre outras, abordamos o envolvimento de militares nas revoltas de 1922, 1924, 1930 e 1932.

Naqueles eventos históricos, tivemos o que foi chamado de “ tenentismo ”.

“Quando o Governo está com a lei, a Força Armada deve apoiá - lo, ainda que haja de combater o próprio povo. Quando, porém, os governos mutilam a lei e desrespeitam a Constituinte, compete à Força Armada colocar - se ao lado destas, ainda que seja mister destruir o poder constituído” ,  Juarez Távora, enunciando a Doutrina do Tenentismo.

Tendo em vista a magnitude das consequências para a conformação da Identidade do Exército Brasileiro, cumpriu - nos analisar o amplo espectro que conformava o comportamento dos militares da época:

“Jovens oficiais constituíram um núcleo de idealistas, que sem a ação inibidora  dos superiores hierárquicos, arvoram - se em salvadores da Pátria.

 Praticamente, abandonaram a hierarquia e a disciplina e indignados com os governos da época  e  participaram ativamente das ações contra os seus governantes.

Imbuídos de autêntico idealismo, aqueles militares insurgiram - se contra a falência do Estado, que acobertava uma desmoralizada máquina administrativa e promovia o crescente protecionismo governamental, e se mostrava incapaz de eliminar as divergências políticas e os antagonismos...

Apesar do desgaste provocado pelo tenentismo, como fonte de indisciplina e de quebra da hierarquia, sublinhando de certa forma a insatisfação e a descrença dos mais jovens para com a capacidade dos superiores na implantação das medidas necessárias ao atendimento de aspirações relativas às melhorias da Instituição, e pior, inoculados pelo viés político de sua formação, extravasaram suas insatisfações para os níveis governamentais, arvorando - se em instrumento capaz de impor uma nova ordem, em atenção aos anseios sociais”,  Valmir Fonseca Azevedo Pereira, Historiador.

Hoje, por ora, os chefes militares podem estar às voltas apenas com as suas consciências e decidiram aquietar - se como se nada estivesse acontecendo.

Porém, é bom colocar as barbas de molho, pois assim, como os oficiais de maior posto, preocupados em futuras promoções, buscam resguardar - se de complicações; os mais jovens sejam oficiais sejam sargentos não possuem limitações deste tipo, e eles como os tenentes do início de século XX, podem, esquecendo - se das amarras impostas pela hierarquia e pela disciplina, assumirem as rédeas de uma revolta contra a atual tirania.

Que os chefes militares meditem e se preocupem com este cenário que poderá explodir em suas faces, se nada for feito.

Quem alerta amigo é, ou pelo menos, um desmancha prazeres.

Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.