RETIRANTE

Por : Pettersen Filho

Tenho assistido homens abandonarem família, costumes e até moral, pensando assim fugirem da agonia e da opressão de se estar...Vivo! 
Alguns não se satisfazem.
Trocam o Norte pelo Sul, ou vice-versa... 
Buscam em novos lugares nova vida! 
Os que são do Norte fogem do coronelismo, das volantes, da seca, da fome... 
Da ignorância de uma vida medíocre...
Enfim, do Sertão.
Acham pura malvadeza ver Ipanema, em um só lugar tanta beleza, e o Sertão a padecer...

Leia mais...

A HISTÓRIA

Por : Roberto Romanelli Maia

Pouco representamos porque somos um entre sete bilhões de habitantes; e face a essa constatação temos que encarar  nossa suprema falta de importância, enquanto pessoas individuais, primatas mamíferos de vidas efêmeras e passageiras. Sim, somos pouco importantes, também, enquanto pessoas nacionais, cidadãs de um  planeta, um entre bilhões e bilhões, orbitando e sendo uma estrela mediana e medíocre porque no fundo, apesar de pensarmos ser superiores e sábios, somos limitados, incultos e ignorantes, e acreditamos de forma equivocada ser os únicos e os mais capazes e inteligentes no Universo.

Leia mais...

QUEM SÃO ELES?

Por : ROBERTO ROMANELLI MAIA

 

Essa movimentação de classes sociais, motivo e razão para tantas discussões e polêmicas neste país e que é tão comentada e analisada pelos especialistas em economia, em especial, aponta para o fato  de que uma parte da população brasileira está sendo arrastada para cima e outra, para baixo da pirâmide social pelas ondas  de uma politica econômica equivocada, confusa e que só atende aos interesses do sistema financeiro e industrial nacional e multinacional.

Leia mais...

URNA ELETRÔNICA

Por : Cel. José Batista Pinheiro

O maior sintoma que a urna eletrônica é uma armadilha eleitoral é a negação de países desenvolvidos adotarem o sistema em seus escrutínios. Os Estados Unidos que desenvolveram a ciência cibernética possivelmente sabem da enganação ou, por qualquer motivo, deixam o barco correr porque estão ganhando dinheiro fácil por conta da nossa credulidade e ignorância absurdas. Embora leigos nessa ciência, podemos imaginar que as cabeças pensantes dos países superdesenvolvidos já criaram monstros cibernéticos capazes de subverter aos seus interesses quaisquer programas de computador, adotados em países que apenas os utilizam sem conhecer a alma do negócio

Leia mais...

ADVOGADOS E JUIZES

 

Por :   João Baptista Herkenhoff

 

          A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes. Há deveres comuns aos dois encargos como, por exemplo, o amor ao trabalho, a pontualidade, a urbanidade, a honestidade. Quanto à pontualidade, os advogados são ciosos de que não podem dormir no ponto. Sabem das consequências nefastas de eventuais atrasos. Os clientes podem ser condenados à revelia se os respectivos defensores não atendem ao pregão.

Leia mais...

CIDADANIA CONSTRANGIDA

Por : Heitor Scalambrini Costa

 

Já há algum tempo tenho feito críticas sobre a arrogância, a omissão, a negligência, a completa ausência de compromisso social e a falta de transparência da Celpe (Companhia Energética de Pernambuco). A operação desastrosa de privatização dessa empresa trouxe enormes prejuízos à população pernambucana. Quer do ponto de vista financeiro, pelas tarifas exorbitantes que são cobradas, quer pelo tratamento de desprezo, ou pelo desrespeito que é dispensado ao consumidor, enfim ao cidadão, que, além do dever de pagar a conta mensal (ai de quem não pagar!!!), têm seus direitos sonegados, principalmente pela péssima qualidade dos serviços oferecidos.

Leia mais...

NEGLIGÊNCIA NO FUTEBOL

Por : Cel. José Batista Pinheiro

 Somos muito negligentes na cultura e no saber. Não fomos campeões  nenhuma vez no prêmio Nobel. Agora chegou também a negligência no futebol. Era previsível esta derrota. Desde o jogo inaugural contra a Croácia que a equipe brasileira demonstrou ser fraca, mal convocada, desorganizada, e mal treinada. O Brasil vive de conversa fiada. A nossa seleção de futebol não se preparou para competir. Jogadores importados dos principais clubes europeus, ganhando fortunas em salário, todos achando que a fama e a tradição do Brasil de ser o país do futebol eram suficientes para o sucesso. Sem autocrítica pessoal achavam que ganhariam a copa somente com papo furado, dando autógrafos e entrevistas fúteis em vez de trabalhar pesado. Tudo no mais alto luxo da Granja Comary no aprazível clima de Teresópolis, RJ, com conforto, e tratamento principesco achando que a conquista da taça lhes cairia aos pés.

Leia mais...

GOOOOOOOL...: A COPA DA COZINHA É NOSSA!

Por : Carlos Roberto de Souza

 

O mês de junho está chegando e com ele a grande expectativa: A Copa do Mundo de Futebol, eta!!! O que me espanta é saber que durante os jogos, uma amnésia coletiva tomará conta do país. Até os índices de roubo e furto vão despencar, já que a malandragem patriótica estará – como todo cidadão – torcendo pelo nosso país. Como dizia o escritor e jornalista Nelson Rodrigues: "O Brasil é a pátria de chuteiras".

Leia mais...

MINHA UFES

 Por :  João Baptista Herkenhoff

 

A criação da Universidade Federal do Espírito Santo marcou a entrada do nosso Estado numa nova etapa histórica. Profissionais que forjaram seu espírito nos bancos de nossa Universidade foram os anunciadores dos horizontes que se abriam. A UFES não é apenas um patrimônio dos atuais alunos, funcionários e professores, ou de professores e funcionários aposentados, ou de profissionais formados pela Universidade. É um patrimônio do povo capixaba.

Leia mais...

JUDICIÁRIO VULNERÁVEL

 

     Por :   Edgar  Granata

  O  Poder  Judiciário,  no  que  tange  aos  precatórios,  é  vulnerável  e  fraco. Redundância  à  parte,  a  vulnerabilidade  é  uma  fraqueza.  Então,  nesse  caso. o  Poder  Judiciário  é  duplamente  vulnerável,  tudo  em  detrimento  dos  credores  de precatórios. A  famigerada  E C - 62  autorizou  ao   Poder  Judiciário  a  administrar  o  dinheiro de   credores  dos  precatórios  mediante  uma  remuneração ...  Ora,   quem  são  eles,  os Poderes  Executivo  e  Legislativo,  a  fazer  do  Poder  Judiciário  um  subserviente  às  custas dos  credores  de  precatórios  ?

Leia mais...