MARIA QUE NO ERA

Por : Pérpetua Flores

María,

que no era María,

de noche...

ni dormía.

Quedaba imaginando

si alguien sabía...

Leia mais...

INCÓGNITO

Por : Pettersen Filho

 

Um Homem

entra no Boteco

pede uma cachaça

bate no balcão

toma um gole

dá um pouco pro Santo

maldiz o trabalho

cospe no chão

mete a mão no bolso

retira um trocado

Leia mais...

NATAL 2016

Por : Teresinka Pereira

Vamos beber o vinho natalino

junto aos que amamos

desejando que na distância

nos celebrem os ausentes.

 

Rompamos o espaço do ar

e na pompa do amor

exprimamos docemente

uma centelha de felicidade

porque este sonho que é a vida

vale mais que os rubis

Leia mais...

PRAÇA DA LIBERDADE

Por : Pettersen Filho

Há nas Praças os lugares permitidos e os lugares proibidos... Pessoas que fazem alguma coisa e Pessoas que não fazem nada... Vós, que fazeis na Praça ?

Havia na Praça

Uma Banda...

Na Praça os casais

se reuniam

A vida acontecia

e ninguém notava

de tão feliz

que todo mundo era...

Leia mais...

ARACRUZES

Por : Pettersen Filho

Eu vi Eucaliptos !

Eucaliptos, Eucaliptos, Eucaliptos.

Eucaliptos, Eucaliptos...

 

                              Eu vi Eucaliptos !

                              Eucaliptos, Eucaliptos, Eucaliptos.

                              Eucaliptos, Eucaliptos...

... e a terra rachou

... e os rios minguaram

Leia mais...

INCOMPLETO

Por : Pettersen Filho

Porque deixastes tuas marcas

tão profundas em mim...

Porque assistes aos poucos

ver chegar o meu fim.

 

Criaste o Bem

mas acho que te esquecestes

de aniquilar todo o Mal

Inventaste o principio

dando a tudo um toque final...

Leia mais...

UTOPIA

Por : Roberto de Queiroz

O vocábulo "utopia" foi forjado pelo filósofo e escritor inglês Thomas More (1480-1535) para titular um livro de sua autoria, escrito em 1516. O autor formou esse vocábulo pela justaposição de dois termos gregos: "ou" (não) e "tópos" (lugar). Grosso modo, ele significa "não lugar", ou seja, "lugar que não existe". É o termo pelo qual More idealizou uma sociedade deveras harmônica, estável e funcional, em que todos os membros são comprometidos com o bem-estar coletivo. Nessa sociedade idealizada, a realidade se funde com a fantasia. O autor sugere, portanto, que a utopia não pode ser concebida como um projeto realizável no mundo real, e sim como uma entidade circunscrita numa ilha imaginária.

Leia mais...

EN TORNO AL ÁRBOL DE LOS RECUERDOS

Por : Pérpetua Flores

Un aroma, una brisa,

la música de una calesita

que parece caer, gota a gota,

                            nota a nota...

Zaranda del grupo familiar

en torno al árbol de Navidad,

vuelta y vuelta...

y los niños ávidos

recogiendo sus regalos,

 

como frutos maduros,

entre luces...

Leia mais...

A L E I J A D I N H O

Por : Perpétua Flores

Tocó el cuerpo de la piedra insensible,

sin curvas, sin gestos, sin dolor.

Resucitó los Santos. Pobló iglesias.

Aleijadinho entraba en la roca fría,

como semilla en la tierra fértil...

Manos heridas entre manos de gasas,

la sangre era fuego incendiando nubes.

 

Y hoy corre en venas de Imágenes

que él recreó, de manos perfectas...

Leia mais...

REALIDADE

Por : Pettersen Filho

Quando Eu me dei por mim

Ela já estava ali

batendo por detrás da Porta

tocando a campainha

insistindo em entrar...

 

Eu corri, e tranquei a Janela

Fechei as cortinas, prendi a respiração.

Apaguei as luzes... Fingi dormir...

Leia mais...

HOJE

Por : Pettersen Filho

Hoje há esperança!

Talvez, mais tarde

o Sol nasça

O Jardim floresça

Todo o mal padeça

e agente viva em paz!

 

 

Hoje

a gasolina não aumentou

Hoje

não houve crime no Jornal

Hoje

a Moeda não caiu

Leia mais...

EL SEMBRADOR

Por : Pettersen Filho

Yo lancé  las simientes

mojé la tierra

y vi todo nacer,

regué con cariño

hice un espanta-pájaro

y hasta alejé

los bichitos.

 

Yo cogí los primeros frutos

seleccioné las semillas

y puse al sol para secar.

Soñé hacer de las uvas

las mejores pasas

...lavé los pies...

imaginé los mejores vinos...

Leia mais...