DIA DO PADRE....

     

 Por :  João Baptista Herkenhoff

          Comemoramos no início do mês de agosto o Dia do Padre.

          Em sentido estrito, padre é o sacerdote católico. Em sentido amplo, padre é pai, é todo aquele que tem o dom da paternidade, é o que protege e cuida.

          Nesta oportunidade desejo homenagear o Padre Waldyr Ferreira de Almeida que foi, ao mesmo tempo, padre no sentido estrito e amplo.

          Frei Leonardo Boff lembrou, em artigo recente, o pacto das catacumbas firmado por Bispos brasileiros, no encerramento do Concílio Vaticano II, em 1965. O líder dessa conspiração (catacumba é conspiração) foi o inesquecível Dom Hélder Câmara.

 

 

          Lembremos os pontos principais do aludido pacto: 1) vida dos bispos e padres semelhante à vida dos fiéis, no que concerne a moradia, alimentação, meios de transporte; b) desprezo por tudo aquilo que seja riqueza ou aparência de riqueza; c) nada de imóveis, palácios, ouro, prata; d) que o dinheiro, na medida do necessário, seja entregue ao cuidado de leigos; e) renúncia aos títulos honoríficos (Eminência, Excelência Reverendíssima, Patriarca et cetera); f) nada de conceder privilégios para homenagear os poderosos; g) opção pelos pobres; h) ação efetiva para instar governos a colocar em prática leis, estruturas e instituições sociais que promovam a Justiça, a igualdade e o desenvolvimento harmônico e total do homem e de todos os homens, em busca de uma nova ordem social digna de filhos de Deus.

 

          Creio que o Padre Waldyr Ferreira de Almeida agiu sempre na linha do pacto das catacumbas, embora não tenha firmado, expressamente, esse pacto. Foi padre e médico, com direito de clinicar conferido por uma bula papal. Mineiro, fiel a sua mineirice, achou prudente estar protegido por decreto de Roma para exercer a Medicina.

 

Com muita Justiça, a Fraternidade Secular Charles de Foucauld de Vitória registrou numa mensagem que fez circular:

 

“Ao completar 60 anos de vida presbiteral, as preocupações e angústias do Padre Waldyr são as mesmas: o sofrimento dos pobres, dos abandonados, dos excluídos.”

 

Portador de grande inteligência, o Padre Waldyr poderia ter sido pároco num bairro nobre da capital. Na paróquia onde viesse a servir, seria exibido como autêntico troféu. Entretanto, optou pelos bairros pobres, pela periferia, sendo um dos construtores das Comunidades Eclesiais de Base da Arquidiocese de Vitória. Uma das CEBs onde atuou com grande vigor localiza-se na Paróquia de Itaquari,. Padre Waldyr foi o braço direito do inesquecível Arcebispo Dom João Baptista da Motta e Albuquerque.

 

Como Padre Waldyr soube conjugar os dois sacerdócios. Foi “Médico de homens e de almas”, como o Evangelista Lucas, assim cognominado por Taylor Caldwell na biografia do médico santo.

 

 

 

João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado, professor, escritor, palestrante nas seguintes áreas: Direito, Ética, Cidadania, Educação, Literatura. E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

É livre a divulgação deste artigo, por qualquer meio ou veículo, inclusive através da transmissão de pessoa para pessoa.