INCONFIDÊNCIAS DE MINAS

 

 Por : Professor Romualdo

Minas da Maria Fumaça,

Que já não passa,

De tantas “gentes”,

Silenciosos, inocentes

Nos vales, em paz,

Coisa que não existe mais.

De interioranos introspectos,

Mineiros completos,

Com seu jeito matreiro,

Sorrateiro,

 

E suas cidades históricas.

Falo eu de uma Minas

Em suas individualidades divinas,

Para Portugal, Inconfidente,

Mas é reticente

Com sua alma inovadora,

Continuamente transformadora,

Que guarda em seu passado,

Trancado.

A sete chaves

Para muitos, entraves

Que só o mineiro sabe entender,

Testemunho de seu jeito de ser.

Uma Minas que fala,

Que não se cala,

Pois a palavra que silencia, é sua própria rebeldia

E grita com a alma

Em sua inconfundível calma,

Sabendo que sua concordância

Difere em abundância,

Não de erros gramaticais,

Mas de um jeito próprio das Gerais.

É um falar velho, mas novo

De um pacato povo

Que em sua esperteza,

No limiar de sua rara nobreza,

Mostra sua real identidade

E tão distinta coragem,

Que do peito sobressai

Em um precioso “Uai”,

Latino mineiro,

Matreiro,

Que desafia com intensidade

O sonho e a vontade,

E qualquer poder,

Por ideal e prazer,

E que se esconde misteriosa,

Em verso e prosa,

Atrás da Serra do Mar,

Tão aconchegante lar,

Mas que avança

E descansa

Em seus profundos ideais,

E mais,

Falo de uma Minas,

De suas montanhas colinas,

De névoas nas ruas,

Madrugadas nuas

E dos garis incansáveis,

Insaciáveis; 

 

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.