BAHIA-MINAS

Por : Pettersen Filho

Bahia-Minas

velha amiga

abandona as cordilheiras

estas terras amargas de Minas

hoje já não sabem amar

Deságua encachoeirado teu choro

por entre montanhas e platôs

segue em prece tortuosa

leva cadente a minha dor.

 

 

Bahia-Minas

velha estrada

permita-me chamar-te assim

esqueça ainda intactos os teus tuneis

as Pirâmides do Egito daqui

amarra forte entre trilhos e dormentes

a dor enferrujada de ferro

da Maria-Fumaça em mim...

 

Bahia-Minas

latente estrada

não me deixes te enganar

segue sem volta  teu destino

conta a tua História ao Mar

fala desse pobre menino

que entre doces lamentos e delírios

um dia te soube amar.

 

(Extraído do poema “Bahia-Minas” da Obra “Inconfidente Mineiro – Ilustrações & Poesias” de Antuérpio Pettersen Filho – Publicação Independente – 2002 )