AS ROSAS

Por : Perpétua Flores

  Avó. Creio que todas as crianças do bairro chamavam de avó

aquela senhoras de neve nos cabelos e inclinaçao do corpo que

parecía humildade, serena, que sempre nos dava algum doce.

  Estava. há muito tempo, doente, em repouso absoluto.

  Vivia sòzinha numa enorme casa, num lugar com imenso pátio

aberto. Quando passa´vamos com o ónibus, de volta da fazenda,

podíamos  ve-la desde la janela, ou varrendo ou molhando as suas

plantas. Nossa familia gostava muito da avó.

 

  Um dia a minha máe interrompeu os  meus deveres do segundo

ano escolar e me comunciou que a avó havia falecido, soube por

uma amiga, e que eu fosse levar-lhe algunas rosas( era pertinho)

que logo ela iria.Eu fiquei muito triste mas náo chorei.

  Era o primeiro velório aonda  ia..

......................................................

 Me aproximei tímidamente da casa, havia um caminháo ve-

lho estacionado no pátio  e uma turma de gurís do bairro, brin-

cava na carrocería, , pulavam, riam.

  Perguntei em voz triste, por triste e pelas circunstancias, na

mina  ingenuidade, da que tenho vergonha até hoje:

   - Onde está a morta?

   Foi uma gargalhada geral. E logo repetiam a coro:

     - Ela náo morreu! Ela náo morreu!

    Me sentí corar, vermelha -como as rosas-, de cabeca baixa, vol-

tei. E voltei à casa despetalando as flores, com raiva, morden-

do algunas pétalas e, as últimas que ficaram, atirei no soalho,

pisoteando-as, enquanto chorava:

   -Meu Deus, Perpétua,o que aconteceu ? perguntou a máe.

Soluçando, respondi, como os meninos:

- Ela náo morreu! Ela náo morreu!

  Com a diferencia que eu nao dava gargalhadas, choraba, com

raiva, até da mina máe....

   -Se ela náo morreu, é para alegrar-se. Quando pensávamos

que havia falecido, náo choraste. Agora que sabemos que está

viva, choras! Te alegra ,que a vó náo morreu!

  Quando, uns días depois ela morreu de verdade, pelas dúvidas,

náo fui...

..................................................................

  Por muitos anos mais náo voltei a nenhum  um velório, sem ver, com estes

olhos, o Certificado de defunçáo.....

 

OBS: Perpétia Flores é brasileira, há muitos anos radicada em Buenos Aires onde produz Literatura, como o presente Connto, que encratará novo Livro discorrendo sobre Família.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.