INCÓGNITO

Por : Pettersen Filho

 

Um Homem

entra no Boteco

pede uma cachaça

bate no balcão

toma um gole

dá um pouco pro Santo

maldiz o trabalho

cospe no chão

mete a mão no bolso

retira um trocado

 

e entrega pro Dono

... e como veio

se vai...

 

Não se sabe quem é ?

Por que veio ?

E para onde Ele vai ?

É apenas mais um brasileiro

no exercício incógnito

de ser Cidadão !

 

(Extraído do poema “Incógnito” da Obra “Inconfidente Mineiro – Ilustrações & Poesias” de Antuérpio Pettersen Filho – Publicação Independente – 2002).