PALAVRA

Por : Claudia Brino

Penetrou em mim a primeira palavra

desvirginou minha gramatica

e gozou sobre minhas orações submetidas

e pretéritos perfeitos

Penetrou em minha carne e minha língua

 

Agora que seja também a virgula

na boca que não cala

 

 

Que seja  minha exclamação no delírio

do fogo e no aconchego do sexo

 

Que seja em cada pensamento

o pão meu de cada dia

 

OBS: Poema extraido do Livro Homônimo "Palavra" da Autora Claudia Brino : 

Contato: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.