ABIN – DIREÇÃO EXONERADA ; “VÃO-SE OS ANEIS..., MAS FICAM OS CORONÉIS.”

Por : Pettersen Filho

Resquício do que de mais Hermético Arcaico há no Estado Brasileiro , até, decorrente da sua Missão Institucional , declarada e não declarada, a ABIN – Agência Brasileira de Inteligência, guardadas as devidas proporções, encontra congêneridade nos seus similares estrangeiros, a KGB , da Extinta União Soviética , e o atualíssimo Mossad – Serviço Secreto Israelense, obrigado a, em nome da Segurança do Estado Judeu de Israel, realizar missões, confessáveis não confessáveis , dentro e fora de Israel, agindo implacavelmente, com frieza determinação , em razão do Inimigo , assim como agem a CIA Americana, o FBI e o DEA , quando seqüestram, Agentes , supostamente da Al Qaeda , e, tripulam Voos Clandestinos , diante da indisfarçatêz do Mundo Livre, para Cuba ou Europa Oriental , lançando seus tentáculos Não-institucionais , Globo a fora.

 

Tendo o seu Quadro Militarizado , a ABIN , remonta aos Tempos do SNI – Serviço Nacional de Informações, de quem herdou o aparato , e a finalidade , nos Auspícios da Rígida Ditadura Militar , destinado a reprimir e coibir qualquer traquejo de Liberdade Popular , ante a extinta Ameaça Comunista , hiper-ativo, naqueles Anos de Exceção , o SNI, como Regra de Conduta , não obedecia, necessariamente, em nome da Santa-sacra Segurança Maior do Estado-generalato Brasileiro , qualquer Protocolo ou Hierarquia , mal acostumado com Despachos e Portarias , que o tornariam, pela própria natureza, a que se destina, Burocrático Intempestivo , sendo uma espécie Paralela e Autônoma , naqueles dias, de Poder Excepcional de Estado , acima de qualquer Instituto ou Legislação , dispondo sobre o Bem e o Mau, como bem o exigia a Guerra Fria

Passado, contudo, os Anos de Chumbo , quando os Militares se puseram a lustrar seus coturnos dentro dos Quartéis , de volta a sua Missão Constitucional , diante o Império do Novo Regime Democrático , do qual o Presidente Lula, Eleito pelo Povo , e oriundo das Classes , tradicionalmente, Dominadas , o que não é, ora, o seu caso, é, Ele, Lula, como Comandante-em-Chefe das Forças Armadas Brasileiras, a despeito, a sua mais viva expressão.

Entretanto, depois de lambuzar-se no Fel Amargo da Ditadura , vigendo no Brasil Plena Democracia , agora, parece que o “ Gênio” , acostumado ao Fazer Acontecer , tão necessários Naqueles Dias , não cabe mais na “ Garrafa”, mesmo que, e ainda, sob Novo Rótulo , qual seja, a ABIN .

Flagrada, segundo diz Notória Revista de Circulação Nacional, supostamente, “ bisbilhotando ”, é o verbo mais apropriado, por parecer peculiar a “ Intriga ” ou “ Fofoca ”, inobjetiva, e, politicamente, desengajada, no entanto, a ABIN, de Larga Tradição Militar, Profissional, aparentemente, numa atitude, inadvertida incauta , que não lhe é peculiar, viu-se, Essa Semana, envolta no mais completo Escândalo de Escuta Clandestina de Altíssimos Membros do Próprio STF – Supremo Tribunal Federal, passando por um dos mais destacados Senadores da República , o Sr. Demóstenes Torres, quem, segundo a transcrição da Revista , pedia, durante uma Ligação Telefônica , ilegalmente interceptada, favores, ao Ministro Gilmar Mendes , Titular-em Chefe, Presidente do Supremo, STF , contra um subordinado hierárquico seu, um Juiz de Estado , quem, havia condenado interesses do Senador da República, em, provável, Regular Processo Judicial .

Inobstante, embora pareça ao Observador Menos Atento, tal Interceptação, uma Declarada Ilegalidade, sem que se analise, aqui, a Conveniência , ou Juridicidade , do eventual “ Pedido ” do Senador da República , o Sr. Demóstenes Torres, completamente possesso, com a Divulgação da tal Gravação , bem como o Ministro , por mais que sejamos amantes do Lídimo Jogo Democrático , parece-nos, ademais, que, tal Proposital Ventilação do Fato, junto a uma das mais conceituadas Revistas do País , é, pelo menos,, uma Inimaginável Sandice , própria, não, como no caso, de uma suposta Agência de Inteligência , mas, um Ato de Extrema Burrice , não fosse o óbvio de nos parecer, superficialmente, um Ato de Inteligência de Estado , mesmo que não nos reste saber, a qual Estado nos referimos, se o Institucional ou o Paralelo ?

Acuado pelos Poderes Constituídos da República , diante do desrespeito ao recalcitrante Jogo Democrático , o Presidente Lula, tão logo ganhou vulto a Publicação na Imprensa , tratou de Exonerar , suspendendo, o Diretor da ABIN , o Delegado, oriundo da Civilista Polícia Federal, o Dr. Paulo Lacerda , e alguns dos seus, civis, mais imediatos colaboradores, preservando no Cargo , no entanto, o General “Escudeiro” Jorge “Pancho” Felix , a quem se reporta a ABIN , no Gabinete da Segurança Institucional da Presidência da República , pondo, dessa forma, panos quentes na questão, preservando os Quadros Militares da Indigitada Agência , sob pena de causar uma Crise Institucional , que não interessa a ninguém, pelo menos, não, aos amantes do Jogo Democrático e das Liberdades Constituídas , nessa “ Terra da Raposa do Sol 

Contudo, se são chamados, maldosamente, de “ Bisbilhoteiros ”, ou “ Arapongas ”, os “ Homens dos Grampos Clandestinos ”, quem não respeitam, ao menos, os Supremos Mandatários dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, Tupiniquins , Legalmente Eleitos , ou aprovados em Concursos Públicos , alguns deles com Cargos Vitalícios , pelo menos, enquanto Vida houver, então, como devemos chamar Esses Outros , que fazem da sua Investidura Pública “ Títulos de Mercancia Nacional ” e oportunidade de Negociatas, “ Verdadeiras Feiras Livres ”, a fim de que deduzam Vantagens Pessoais , a despeito do Maior , e Mais Relevante, Interesse da Nação, como, então, devemos, nesse caso, chama-los ?

Ao acaso, seriam “ Dignos Filhos da Pátria ”, ou Repugnáveis Filhos da P.... ?

 

 

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadã”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.