PRAÇA INVADIDA : “ AREAL A CÉU ABERTO ”

Por : Pettersen Filho

Cumulando as funções de Areal a Céu Aberto, em plena área nobre da Cidade de Vitória/ES, bem ao lado do Canal de Camburi, a altura da Rua da Grécia, 195, no Barro Vermelho, conjuntamente, funcionando também como Depósito de Rejeitos, a área, tida como “ Futura Praça ” do Bairro, vem sendo ocupada clandestinamente pela Firma de Terraplanagem e Demolições “ Transaulo ”, que no local vem dispensando materiais oriundos de demolições, estruturas metálicas, manilhas, areia, terra de aterros, e outros, tudo ilegalmente.

 

Estabelecida na Rua D. Pedro II, a altura do numero 300/310, extensão da Rua da Grécia, que roubou-lhe o nome, onde também opera a Firma “ Transgavi ”, uma das vertentes da Família “ Gavi ”, que trabalha no mesmo ramo, ambas sem placa de identificação ou letreiro que as identifique, ou sua localização e finalidade, as referidas Empresas, se regulares, ocupam terreno em litígio, pertencente a FUNASA – Fundação Nacional de Saúde, utilizando-se de toda a extensão da Rua para também estacionar, proibitiva e permanentemente, seus caminhões e tratores, inclusive, ocupando as calçadas, tornando o trafego de pedestres no local um risco extremo.

Não bastasse a sanha dos “ Gavi ”, relativo à Praça, onde funciona verdadeiro Areal, ora ocupada por um dos tratoristas da Empresa “ Transaulo ”, outro dia, uma das máquinas, ao adentrar na área, para abastecer um dos caminhões da Empresa, com a areia, cotidianamente depositada e retirada do local, a qualquer hora do dia ou da noite, causando o levantamento de detritos, pó e areia, a fora o extremo barulho, danificou seriamente a calçada construída, ainda há poucas semanas, pela Prefeitura Municipal de Vitória, o que faz sem qualquer atenção às regras da Lei do Silêncio, Dano ao Patrimônio Público e a Postura Municipal, com a conivência velada da PMV, para quem chegam a prestar serviços, como terceiros, provocando a ira dos moradores da redondeza, quem questionam: Sabe-se lá se possuem Alvará de Licenciamento para a atividade no local, posto que totalmente ilegal.

Aproveitando-se, contudo, da discussão em Juízo, quanto à propriedade da área, aberta e não murada, se da União ou do Município, também reivindicada em Usucapião por Terceiro, somente não efetivado devido a intervenção da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa de Individuo e da Cidadania, que atravessou petição no processo, contribuindo para que avocasse os autos a União, enquanto o Poder Público não se manifesta,cabalmente, via desapropriação da área, se particular, ou doação da União ao Município, como desejam os moradores, reina a balburdia no local.

Apesar de a ABDIC - Associação Brasileira de Defesa do Indivíduo e da Cidadania haver representado Criminalmente, por Crime de Dano, contrao Sr. Saulo, com cópia à PMV, com a palavra final, num silêncio, omisso e ensurdecedor, o Prefeito Municipal de Vitória, o Sr. João Coser, que nada faz.

 

CRÔNICA POSTADA ORIGINALMENTE EM   WWW.PARALEREPENSAR.COM.BR

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.