FERNANDO LUGO PRESIDENTE: “A NOVA GUERRA DO PARAGUAY ?”

Por : Pettersen Filho

Decorridos hoje exatos 138 anos do fim da Guerra do Paraguai, 1865/1870, quando, ao terminar o massacre imposto ao País, por Brasil, Uruguai e Argentina, pereceu, ainda lutando, sem se render, o Ditador Paraguaio, Marechal Francisco Solano Lopes, quem ousou, naqueles tempos, tentar fazer do Paraguai uma Potência Regional, que lhe desse ao menos  franco acesso ao mar, a improvável eleição do Ex-bispo da Igreja Católica, Fernando Lugo ,  contudo, ocorrida este fim de semana, parece haver remexido, fundo, no tumulo onde repousam os restos mortais do Presidente Lopes, trazendo de volta ao Pequeno Pais, isolado, no centro do Continente Sul Americano, de volta as aspirações de grandeza, revivendo velhos fantasmas e abrindo novas chagas.

                   

Caindo definitivamente em profunda desgraça, desde o final da Guerra do Paraguai , após cinco anos de desgastante conflito, onde viu as suas parcas riquezas, de ser a única Nação Sul Americana a não ter acesso ao Mar, juntamente com a Bolívia, minguarem, e tendo assistido sua população de homens/adultos ser praticamente dizimada, o Paraguai, enclave de remanescentes de Índios Guaranis , e uma das poucas Nações Latino-americanas de predominância não-europeia, tendo o próprio Guarani como segundo Idioma Nacional, está há séculos estagnado no tempo e em sua própria inexpressão, postado à sombra dos seus Vizinhos/gigantes do Subcontinente, Brasil e Argentina , em torno dos que sobrevive como entreposto de toda a moamba admissível, que se possa imaginar, vindo da China ou dos Tigres Asiáticos, lá recebendo a chancela de produtos Importados, via Zona Franca não Tributada, antes de inundarem os camelódromos e as bancas de esquina por todo o Brasil.                  

Não fosse a expansão da soja, ainda recente, quando as lavouras brasileiras atravessaram as fronteiras do Paraná e Santa Catarina rumo as férteis terras, do outro lado da margem do Rio Paraguai, nos Anos Setenta, trazendo subita riqueza para o País, aliado ao benéfico  Acordo de Itaipú, que fazendo brotar na fronteira entre os dois países, Brasil e Paraguay, fatos novos, e algum progresso, gerando a energia excedente que o Paraguai gera, revendida ao Brasil por cerca de 400 milhões de dolares anuais, o Paraguai, ainda hoje, continuaria sendo o que é, uma espécie de quitanda internacional onde se pode adquirir legalmente qualquer quinquilharia enxotada, roubada do Brasil ou importada da China, rumo ao Brasil ou a Argentina.             

      Mas eis que, a subita eleição de Fernando Lugo, a exemplodo que fez Evo Morales com as refinarias da Petrobras, na Bolívia, ameaça romper o Acordo de Itaipú, remexendo com os interesses do Brasil, numa onda de nacionalismos que eclodem por toda America Latina, ora inflamada pelo procedente discurso de Hugo Chaves, na Venezuela, passando pelo Equador, do combativo Rafael Correa, chegando aos Pampas da Argentina, da Presidente Cristina Kirtchner.                

  Parece realmente, enfim, que as urnas do Paraguai, emanadas da vontade popular, derrubando do alto de sessenta e um anos de estagnado Poder o Partido Colorado, de Direita, numa profunda guinada à Esquerda, de Fernando Lugo, definitivamente trouxe de volta à vida o Espirito Imortal de Solano Lopes , e o seu sonho de Justa Grandeza Paraguaia .                  

Em Brasilia, Capital do Brasil, soam as campainhas de alerta. O Presidente Lula, de Terço e Àgua Benta na mão, prepara-se para a Nova Batalha do Paraguai, doido para ver exorciZado o Espirito Aguerrido de Solano Lopes, tão bem encarnado no Bispo Fernado Lugo , prestes a assombrar o Brasil:                  

Enfim, um Paraguay "Made in USA " , cuja única saída passa pelo Brasil, de Luis Lula Inácio da Silva.

 

CRÔNICA POSTADA ORIGINALMENTE EM   WWW.PARALEREPENSAR.COM.BR

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.