OEA / ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS: “QUANDO “O” NÃO É “A””

Por : Pettersen Filho

Criada por maniqueísmo dos Estados Unidos da América do Norte, como uma espécie de “ Clube do Bolinha Americano ”, logo após a derrocada dos Paises do Eixo na Segunda Guerra Mundial, Alemanha/Japão e Itália, pouco antes da União Soviética explodir a sua primeira Bomba Atômica, detonando também com a hegemonia Pós-guerra da América do Norte, a OEA – Organização dos Estados Americanos, foi criada em 30 de Abril de 1948, em Bogotá, na Colômbia, hoje, prestes a comemorar sessenta anos de indigente existência, como um Organismo regional detraído das fileiras da própria ONU – Organizações das Nações Unidas, criada em 1945, contudo, destinada a, supostamente, congregar os interesses regionais das Três Américas, e Caribe, perante o Mundo, mas, na verdade, constrita aos interesses Norte-americanos de pan-americanismo , voltados à si próprios.

 

Viciada, em seu próprio ato constitutivo, estabeleceu como sede a Cidade de Washington, nos EUA, refém de quem passou a gerir seus destinos, nunca decolando como Instituição de agregação continental, sempre subserviente aos interesses americanos, do Norte.

Já em 1962, a serviço dos EUA, sofreria o seu batismo de fogo, a indigitada Organização, em plena Guerra Fria , varrendo dos seus quadros, via, a até hoje vigente, suspensão incondicional de Cuba, sem direito a voto, Nação eminentemente Americana, até os dias de hoje excluída e embargada, com o Bloqueio Continental imposto por interesses dos USA, injusta, e historicamente, defasados, hoje, entrevado Fidel Castro, inteiramente sem razão de ser.

Novamente, posta em xeque, em 1965, na intervenção Americana na República Dominicana, com a participação de tropas brasileiras do Regime Militar, e na verdadeira horda de Golpes de Estado que se sucederam na América Latina, todos arquitetados e engendrados pelo Pentágono e CIA Americanos, desde o onissonoro Golpe Militar de 1964, no Brasil, passando pela Morte de Salvador Aliende, no Chile, em 1973, até culminar no isolamento da Argentina, Americana, no conflito com a Inglaterra, pelas Ilhas Malvinas, em 1982, em que a OEA se absteve de intervir em favor da Nação Latino Americana, frente às forças agressoras do Império Britânico, formalmente ligadas a OTAN – Organização do Tratado Atlântico Norte, de quem faziam parte capitânia os EUA, em detrimento ao TIAR – Tratado Interamericano de Assistência Recíproca, tendo estes optado em favor da Inglaterra, minando a vigência do TIAR, quando uma Nação Americana era atacada por um dos mais velhos símbolos do Imperialismo Mundial, a Marinha de Sua Majestade, a Rainha Elizabeth.

Por último, demonstrou a OEA a sua completa falência no episódio recente, em que Forças Colombianas atacaram as FARCs, com apoio logístico e bélico americano, movimento dissidente colombiano, quem domina cerca de 1/3 do Território Colombiano, ao longo dos últimos quarenta anos, quando em negociações de paz no Equador, sem qualquer condenação “ cabal ” do Órgão ao ataque, a não ser quando acompanhada de justificativas de suposto “combate ao terrorismo” , das FARCs, quando, na verdade, é concessivo o Órgão com o terrorismo praticado pelos paramilitares a serviço do Presidente Uribe , da Colômbia, e o seu Patrão, George Walker Bush, dando entender, a tal pretexto, que se poderia atacar, talvez, a própria Amazônia Brasileira, o que não devemos admitir..

Enfim, reporta-nos, o inócuo Órgão, criado para a subserviência do Continente aos EUA, em lição inversa da que aprendemos na Escola Fundamental, quando sonorizamos as vogais do abecedário A, E, I, O e U , que, muito das vezes, “O” não é “A”.

“O”, é “O” mesmo, e sempre o será.

Alias, na fonética sonora do Inglês, “A” se diz, em Inglês, “ ei ”, e “I” se pronuncia na Língua Ferina de George Walker Bush: “ ai ”.

Aqui: “Ó”, pra vocês.

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, ALÉM DE SÓCIO CORRESPONDENTE DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLOGIAS, POLÍTICAS E SOCIAIS DOM VASCO FERNANDES COUTINHO, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO

 

 

 

DEFESA DO CONSUMIDOR – CIDADANIA - PEQUENAS CAUSAS CIVEIS ???

  

“DIVULGUE NOSSO TRABALHO PARA QUE NÓS TAMBÉM DIVULGUEMOS VOCÊ”

REPASSE ESSE E-MAIL A UM AMIGO !