SINDIPOL/ES : “CONVITE AOS COLEGAS POLÍCIAIS... “

Por : Pettersen Filho

Intuído de visitar o Estado do Espirito Santo, do qual me desvinculei, ora morando em Minas Gerais, Servidor Policial Aposentado, donde deixei muitos amigos, e alguns inimigos poderosos e predominantes, solicitei, como é direito ao Polícial, Associado que sou, Reserva de Cabana para que confraternizasse, com amigos e família, no passamento de 87 primaveras de minha Genitora, donde pretendia confraternizar essa, que talvez seja a sua ultima Primavera.

 

Em contato com o Responsável, de fato, pela Área de Lazer, o Servidor do Sindipol, Rodrigo, requerendo tal Reserva, foi me informado que o Diretor Tal, somente Ele, é que realizava tal reservamento, e que iria comunicar a solicitação.

Dias depois, nova ligação, informou que a Área já estava reservada, o que atribuo a informação nebulosa e rejeitante, tomando por base quem requereu, ou seja, a minha pessoa, pois já que Lista Abeta, ou processo transparente algum há, sendo ao meu ver, as reservas concedidas a uns, e não a outros, conforme a tendência administrativa da Diretoria de Plantão.

Questionando quanto a Cabana existente a beira da lagoa, menos solicitada e mais distante do Bar, foi me dito que essa passou ao Patrimônio do Stand de Tiro, sendo inacessível, posto que a área é muitas vezes alugada, desprestigiando o Associado, em nome da evidente locação onerosa.

Sem que se fale do Departamento jurídico, verdadeira Empresa Privada dentro do Sindipol, destinada a perfazer lucro, e ganhos em nome da Sucumbência e da representação Associativa, cujos interessados os Advogados postulantes, esse, ao meu modesto ver, verdadeiro “Sindicato do Crime, ora perdendo prazos processuais ou negligenciando nos direitos postulados

Por isso, e por tudo, ainda assim convido os colegas, e Amigos, não a mihna Mãe, para comparecerem ao Local, em 12/02, pois lá estarei, tomando umas cervejas, na Area comum, e Pública, custe o que custar, nem que necessário seja ingressar Habeas Corpus...

Só espero não receber o tratamento do policial Rubens Oliveira, removido, à tapas e socos, pela Polícia Militar, acionada pela Diretoria, quando da sua confraternização com a família, ano passado.

 

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.