BOMBA EM BRASÍLIA: “MINISTRO FACHIM RETIRA COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO PARANÁ NO CASO LULA...”

  • Imprimir

Por : Pettersen Filho

Decisão comparável a de que o Brasil não teria sido descoberto por Cabral ou colonizado por Portugal, há cerca de quinhentos anos atrás, desconhecendo o Grito do Ipiranga por Pedro I e o Suicídio de Vargas, Decisão do Ministro Edson Fachim, anulando as condenações do Ex-presidente Lula, pelos casos do Triplex do Guarujá e do Sitio de Atibaia, hoje em Brasília, na sede do STF, da mesma forma, desconhecendo o Mensalão e o Petrolão, que causaram a maior sangria nos cofres públicos na História do Brasil quiça, do Mundo, determinará, no mínimo, a reedição e reescritura de todos os Códigos Tupiniquins, seja Penal ou de Processo Penal brasileiros.

 

 

Medida que devolve, em tese, o Direito Político de Lula, talvez visando a derrota do próprio Bolsonarismo em 2022, ansiada e pleiteada pela Defesa do Homo Inácius Lula, desde os primórdios do processo, como é comum nesses casos, mas nunca assimilada, ou levada a sério pela Justiça, o que significa jogar por terra a credibilidade de todo o Aparato da Lava Jato, sua constitucionalidade, milhares de horas, e milhões de custas, despesas públicas e prejuízo causados, na verdade, Fachim assim o decidiu no âmbito de Habeas Corpus proposto pela Defesa do Ex-presidente, pela enésima vez.

 

Decisão que significa a própria exumação do PT – Partido dos Trabalhadores, e a retirada da vida política de Lula das profundezas da catacumba em que se encontrava, por mais que aparentemente técnica, lança uma Bomba na atual vida política brasileira, e, certamente, levará a todo um realinhamento em Brasília.

 

É, enfim, exaltando a corrupção, renegar a própria Justiça, muitos anos atrás, a renacionalização de recursos, repatriados pela Lava Jato, os desvios perpetrados pelo Sapo Barbudo, e negar tantas e tantas delações premiadas que vimos, ao vivo e a cores.

 

Então, que venham os Ingleses, e nos colonizem, não os Portugueses, e edificaremos uma nova Nação, como nos videogames, onde a vida pode ser resetada, ao contrário do Mundo Real em que, certamente, não vive Fachim:

 

Mera brincadeira do Supremo!

Saiba mais em www.abdic.org.br

 

Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC