RETIRANTE Por : Pettersen Filho

Tenho assistido homens abandonarem família, costumes e até moral, pensando assim fugirem da agonia e da opressão de se estar...Vivo!

Alguns não se satisfazem.

Trocam o Norte pelo Sul, ou vice-versa...

Buscam em novos lugares nova vida!

Os que são do Norte fogem do coronelismo, das volantes, da seca, da fome...

Da ignorância de uma vida medíocre...
Enfim, do Sertão. 

Acham pura malvadeza ver Ipanema, em um só lugar tanta beleza, e o Sertão a padecer...

 

 

Não vêm a frieza e a ferrugem escondidas em meio a tecnologia dos elevadores, e semáforos luminosos da Avenida Brasil e em tudo aquilo que alguns ousam chamar de Progresso.

 

Não tarda, descobrem que não existe para eles nem Sul e nem Norte.
Que é tudo isso um só imenso país. Tudo isso uma só gente. Todos eles um só homem: E´ a mesma Ordem, e o mesmo Progresso, quem predomina.

Não tarda e descobrem que no Sul...
Seca se chama asfalto. Sertão se chama indiferença... 
E coronel se chama patrão ou doutor:
Não encontram dignidade, nem aqui, e nem lá.

 

(Extraído do poema “Retirante” da Obra “Inconfidente Mineiro – Ilustrações & Poesias” de Antuérpio Pettersen Filho – Publicação Independente – 2002). Foto tomada no Cerimonial & Hostel Inconfidente Mineiro - Belo Horizonte - MG