TEMPESTADE PERFEITA SE FORMANDO, BOLSONARO FAZ APOSTA ALTA NO GOLPISMO E PODE SE DAR MUITO MAL

Por : Celso Lungaretti

O anúncio do pibinho de 2019 foi um balde d'água fria nas esperanças dos cidadãos comuns, que não aguentam mais tantos anos seguidos de penúria.

O empresariado percebe que o ministro Paulo Guedes não entregou nem mostra firmeza quanto a entregar a retomada do crescimento que cansou de prometer.

 O mundo parece prestes a entrar numa nova recessão global, augurando tempos ainda mais difíceis para o Brasil e, no mínimo, outro ano perdido para nossa economia.

 

 

O badernaço promovido por algumas dezenas de encapuzados da PM cearense, com reação tardia e tíbia do Governo Federal, inquietou governadores e fez os setores mais carentes da população temerem que serão doravante abandonados à sanha dos marginais, ao sabor de interesses políticos ultradireitistas. 

 

O aumento contínuo dos casos do novo coronavírus vai desfazendo as ilusões de que o Brasil pudesse evitar o alastramento da nova epidemia

Quando uma tempestade perfeita está se formando diante dos brasileiros, o que faz o presidente da República? Tranquiliza-os e tenta manter-lhes o moral alto para enfrentarem unidos as adversidades que se aproximam?

 

Não, incita uma manifestação de um contingente minoritário de aloprados contra os outros Poderes da República, o Legislativo e o Judiciário. Divide os brasileiros ainda mais e faz aumentar desnecessariamente seu estresse, no pior momento possível.

 

É normal um chefe de governo proceder assim? Não, nem de longe. 

 

timing delirante de Jair Bolsonaro só faz crescerem as especulações de que não possui sequer a sanidade mental necessária para o exercício da Presidência da República.

Enfim, como o bom senso ditaria ao Bolsonaro se ele estivesse disposto a escutá-lo, faça não, pode ser a gota d'água!.

 

Pois sua permanência no posto depende, mais do que tudo: 

— do poder econômico, que vê Rodrigo Maia esforçando-se para evitar o descontrole total e Bolsonaro tudo fazendo para botar fogo no circo; e

— dos altos comandantes militares, a quem muito repugna essa marcha da insensatez que está colocando brasileiros contra brasileiros e solapando o respeito à autoridade, a eles tão caro (o que estarão sentindo ao ver as charges que indagam se os generais vão ser obrigados a bater continência para milicianos?).

 

Então, a adesão e estímulo do Bolsonaro à patetada golpista do próximo domingo (15) pode convencer os que ainda vacilam de que o Brasil precisará de um verdadeiro estadista para atravessar com o menor sofrimento possível os tempos difíceis que se avizinham, não de um comediante que só produz humor negro. 

Pode ser a gota d'água. (por Celso Lungaretti)