ATAQUE À ARÁBIA SAUDITA: “GUERRA CHEGA AO REINO DAS MIL E UMA NOITES...”

  • Imprimir

Por : Pettersen Filho

Conhecida no Imaginário Popular como Terra das Lendas, de Aladim e a sua Lâmpada Maravilhosa, do Tapete Voador e das Mil e Uma Noites, pitoresca visão Ocidental da Arábia Saudita, Maior Exportadora Mundial de Petróleo, Monarquia Absolutista que Governa boa parte da Península Arábica, cujos mentores, justamente, a Família Saudi, protegida e armada à peso de Óleo Cru, e as maiores Reservas de Petróleo do Planeta, pelos Estados Unidos da América do Norte, é no entanto um Reino Perverso, onde as mulheres não podem dirigir os seus próprios carros, muito menos suas respectivas vidas, ou votar, regadas pelo machismo absoluto, recentemente, há pouco mais de três anos, quem intervém diretamente no Iêmen, e sua Guerra Civil, em cerco mortal, quase genocídio, contra aquele pequeno País Árabe, alheia ao olhar do Mundo, que agora parece haver reagido, explodindo a maior Refinaria Árabe Saudita, causando pandemônio no Mercado Mundial de Combustíveis, levando para dentro das Fronteiras da Arábia Saudita, enfim, a própria Guerra criada por eles.

 

Situação que pode desestabilizar o próprio Equilíbrio Geopolítico do Planeta, arrastando Russos e Chineses, o atual confronto Árabe envolve, na verdade, de um lado os EUA, Israel e Arábia Saudita, ferrenhos inimigos do Irã, cada qual por seu próprio motivo, eu diria, os EUA por haver perdido o Domínio e a Expressão dentro do Irã, seu antigo reduto no Oriente, desde a queda do Xá Reza Parlev, em 1979, com o advento da Revolução Iraniana, que trouxe independência política e militar ao Irã, desde então, as turras com a América, Israel, por ser aliado incondicional dos EUA, alias, Pais Satélite Artificial criado dentro da Cisjordânia Gaza e Palestina, por EUA e Inglaterra, ao fim da Segunda Guerra Mundial, justamente para ficar próximo, e controlar o Petróleo,  a Água do Rio Jordão, na Península e entorno, e a Arábia Saudita, seja por motivos ortodoxos de Religião, ou seja por evidente Rivalidade Militar, maior comprador de Armas Americanas no Planeta, ao ver o Irã expandir-se, ao Iêmen, onde apoia os Rebeldes, à Síria e Iraque, onde apoia o Hezbolah e Assad, lutando diretamente com armas e tropas próprias, causando reflexos, até mesmo, aqui no Brasil, onde o Cidadão, ora, ao chegar no Posto de Gasolina, com seu Fusquinha, para abastecer, vê o combustível majorado, graças ao tal ataque.

Sabe-se lá, como se posicionará Bolsonaro, aliado incondicional, automático e venal de Donald Trump, que pode revidar ?

Demonstrando inédita capacidade Militar, por si, ou aliados Rebeldes do Iêmen, em atacar Navios Ocidentais no Estrito de Omuz, que separa a Arábia do Irã, e onde passa cerca de um terço do Petróleo Mundial, já tendo, inclusive, derrubado sofisticados Drones Americanos na Região, agora, atingindo o centro da própria Arábia Saudita, quem sabe num próximo passo, Israel, já assentado próximo as Colinas de Golã, na Síria, o Irã, desde que forçado a se retirar do Tratado de Não-proliferação Nuclear, por Donald Trump, enquanto volta a enriquecer urânio e afiar os seus misseis de longo alcance rumo à Bases Americanas e Israel, parece estar, de fato e de direito, professando a mais clássica teoria descrita na Obra Milenar Chinesa, bem ali ao lado, pronta para atirar, segundo a qual, em alguns casos: “A Melhor Defesa é o Ataque”!

Rufam os tambores!

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.