“FUNDO AMAZÔNIA” : NO FUNDO, NO FUNDO, FUNDO COISA NENHUMA....

Por : Pettersen Filho

Intitulado de “Fundo Amazônia”, repasses à titulo de suposta preservação da Amazônia brasileira, mobilizando vultuosas quantias doadas ao Brasil, majoritariamente pela Noruega e Alemanha, segundo nos consta, também, repasses feitos pela Petrobras, o tal “Fundo”, quase sempre destinado a ONGS – Organizações Não Governamentais, quase todas estrangeiras, além de Comunidades Ribeirinhas, Extrativistas e Indígenas da Amazônia, tem na sua concepção originária, até, muito sentido, razões éticas e morais que o impõem, no sentido de exploração da Floresta, como se diz “Em Pé”, sem devasta-la.

 

Preocupação de Primeira Hora do Governo Jair Bolsonaro, assim que perfez mudanças no direcionamento da Política Ambiental, intervindo no ICMBIO – Instituto Chico Mendes, e priorizando a Agricultura Comercial, tão logo falou-se em redirecionar as aplicações do Fundo Amazônia, também, para reassentar, ou indenizar grileiros e invasores de áreas de Reserva Natural, os Doadores, diga-se de passagem, Noruega e Alemanha, sentindo-se proprietários efetivos dos valores em conta, cerca de 3 Bilhões, reagiram, e de pronto, dado a não haver mais concordância com as politicas de Bolsonaro quanto ao tema, já sinalizam pela extinção das doações, se as verbas não forem carimbadas, destinadas aos seus interesses particulares, ou ao que eles julgam ser o correto, evitando que o Brasil exerça efetiva soberania na área, e suas imensuráveis riquezas minerais, afora o seu potencial agrícola.

Notórios por terem exterminado a sua própria população nativa, EUA e Europa, além de professarem leis protecionistas contra a carne e agricultura brasileiros, os “Doadores”, assim como gostam de ser chamados, preferem a Política tipo Bolsa Família, Quilombolas e Intocabilidade das Matas, “Indigenas”, tão bem utilizadas pelo PT para arregimentar votos, do que uma política frontal e honesta de ocupação da Amazônia brasileira pelo próprio Brasil.

Vênia que á normalmente concedida a todo Patrocinador, a Ingerência, no caso da Amazônia brasileira, não passa, ao que se constata, de mera Politica Colonialista, do tipo Império x Colônia, que não devemos aceitar.

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.