14/06: SEXTA FEIRA INCONFIDENTE CANCELADA.... : “POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS, UMA INSTITUIÇÃO ACIMA DA LEI ? : “

 Por : Pettersen Filho

Devido as ultimas abordagens, reincidentes e provocativas da Polícia Militar de Minas Gerais, que coíbem nosso trabalho em prol da Cultura e Liberdade de Expressão, pondo em risco o nosso Direito de Opinião, e o próprio Estado de Direito, alegando quanto a nós, Empresa devidamente constituída e registrada, suposta  Perturbação da Ordem Pública, ou mediante pretexta Operação de Blitz, deixamos, mais uma vez de apresentar o Projeto “”Sexta Feira Inconfidente”, até que se pronuncie a Justiça, através do TJMG, já informado e provocado, mediante Habeas Corpus preventivo quanto aos fatos.

 

Operação de Trânsito, Bafômetro ou Fiscalização, geralmente perpetradas pela Polícia Militar, aptas a Fiscalizar Veículos, Estado de Conservação dos Carros e Condutores, sempre sob a ótica do Código Nacional de Trânsito, de quebra, averiguando também armas e drogas, comumente chamadas pela População de Blitz, reportando as Técnicas Nazistas das Tropas de Hitler, durante a Segunda Grande Guerra Mundial, em que Blindados Panzers, acompanhados de Infantaria, por terra, e Bombardeiros de Mergulho Stuka, no ar, somavam esforços para surpreender, e vencer, a Tropas Aliadas, com grande êxito, em alemão “Blitzkrieg” (https://pt.wikipedia.org/wiki/Blitzkrieg ), é Ferramenta bastante útil, atinente a Segurança Pública, própria a tirar motoristas embriagados e bandidos com mandados de prisão em aberto das ruas, além de Condutores inabilitados do Trânsito, contribuindo em muito para uma Cidade melhor.

 

 

Contudo, aparentemente, não foi isso o que aconteceu, nessa última Quarta Feira, 05/06, diante da minha casa, à Av. Deputado Anuar Menhem, 1075 – Bairro Santa Amélia – Belo Horizonte – MG, em Blitz realizada no endereço, onde também possuo comércio de Bar & Restaurante, em “Operação de Trânsito”, que arrecadou pelo menos cinco viaturas PATRAN, com duas motos, além de viaturas convencionais do policiamento do Bairro, com muitos cones e barreira na Avenida, das 18:00 hs, aproximadamente, até cerca das 22:00 hs, de frente ao meu Estabelecimento Bar & Restaurante Inconfidente Mineiro, já fechado, à noite e fins de semana, inclusive objeto de habeas corpus na Vara de Inquéritos de Belo Horizonte, à pretexto de “Perturbação da Ordem Pública”, desde o ultimo dia 03/05 (Saiba mais em http://www.abdic.org.br/index.php/2191-policia-militar-de-minas-gerais-a-tenue-linha-entre-a-ordem-o-crime ), em razão de abordagens da Nobre Polícia Militar, a mesma que efetuou a supra aludida Blitz da ultima Quarta Feira, 05/06, impedindo por mais de quatro horas que qualquer pessoa parasse, entrasse, ou saísse do endereço, ocupado por viaturas e cones.

 

Residente no endereço a quase seis anos, enquanto aguardo posicionamento da Justiça, quanto ao HC, e a suposta “Perturbação da Ordem Pública”, restringindo-me a trabalhar somente com almoço, a fim de não ser colhido em flagrante, a não ser que vender arroz com feijão e bife passe a ser crime, jamais presenciei tal espetáculo no endereço, e Avenida, muito embora constantes as Operações na mesma, no que age muito bem a PM, porém quando o faz diante de lotes vazios e via pública, que são muitos na região, o que não foi o caso, mas não diante da Casa, e Comércio, de Cidadão já Paciente, objeto de reclamação na Justiça, quando mais nos pareceu a Operação, com muitos carros e motos apreendidas, oportuna intimidação ao Paciente, se não algo assemelhado a Cárcere Privado, quando mais, várias vezes acionado o Proprietário para abrir o Bar, a pedido dos Policiais, para que, com olhares atentos ao seu interior, utilizassem o Banheiro.

 

Segundo dizer popular que diz “Gato Escaldado tem medo de Água Fria”, eu me pergunto, por quê tal Operação não se dá em frente ao Bar do Dedinho, Brutus Bar e Meu Bar, ou em frente da Padaria Pampulha, um pouquinho mais à frente, quando já vimos, e sabemos muito bem, traz-nos a Literatura Jornalística Policial recente, caso ocorrido, parece-me que, em São Paulo, quando a Corregedoria da Polícia Militar surpreendeu, seguramente não é esse o meu caso, Integrantes da Corporação recebendo Dinheiro vivo, para deixar de praticar tais Operações em frente a uma Boate local ?

 

No meu caso (Poderia até filmar o evento, mas os riscos eram grandes), não fosse o precedente, sentir-me-ia até mais seguro, e resguardado, não fosse o forte indicio de Perseguição ou Retaliação, por postular em Juízo, com mero fito de espantar freguesia e causar prejuízo, já que não vendo Coca, a não ser a Cola, nem possuo nada a esconder.

 

Com a palavra a Corporação...

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”,  SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO