... SAÍDA DE BEBIANO DO GOVERNO : “O CAPITÃO MANDA SEU RECADO “

Por : Pettersen Filho

Saída, Exoneração ou Demissão, chamem como queiram chamar, fundamentada como “Foro Privado”, praticada pelo próprio Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, naquele episódio que ficou conhecido como a Primeira Grande “Crise” do Governo, exarada com menos de 50 dias de Administração, a eliminação precoce do Ministro Bebiano dos quadros do Palácio do Planalto, justamente aquele que era considerado um dos mais imediatos aliados de Jair, no PSL, assim que proposta a sua Campanha, também aludida a existência de “Candidatos Laranja” na Chapa do Partido em Pernambuco, é sem duvida uma baixa inesperada, potencializada por vazamento, aparentemente proposital, de áudios trocados no Watzap, “um pra um” como se referiu Bolsonaro, entre o Presidente e o Ministro, publicados pela Revista Veja, o que superdimensionou a Crise, alcançando as ruas.

 

 

Tendo por ingrediente especial, a participação eminente de um dos Filhos de Jair Bolsonaro nos assuntos pertinentes ao Planalto, no caso o Vereador Carlos Bolsonaro, que chamou o Ministro de mentiroso” nas Redes Sociais, corroborado pelo próprio Pai, como vem se tornando hábito em Brasília, a intromissão, legitima ou ilegítima dos Filhos do Presidente, Carlos, Flavio e Eduardo, nos assuntos de Governo, o chamado “Clã Bolsonaro”, a solida ligação entre Pai & Filhos, culminando na sua chegada ao Poder, bem ao contrário do Estilo Lula de Governar, em que se contentaram os seus filhos em possuir Jatinhos, andar em Ferrarís douradas e possuir Iates luxuosos, deixando a Política com o Pai, o chamado “Clã Bolsonaro”, ou poderíamos chamar a Trinca Disney “Huguinho, Zezinho e Luisinho”, episódio à parte, vem se transformando numa espécie de Conselho Governamental de Governo, acima do próprio Governo, para contrariedade das estruturas de Governo tradicionais, com o que se dá o Poder: Congresso, Partidos Políticos e Ministérios, cada qual com a sua incumbência.

 

Embora elogiado após demitido por Bolsonaro, o que trazem as gravações de Bebiano, que o tempo todo trata Bolsonaro com o seu Posto de Capitão, herdado do Exército brasileiro, não nos parece ser uma relação de Hierarquia Política, do Presidente com seu Ministro, nem tão pouco a Submissão recatada de um Comandado ao seu Oficial Superior, no caso o Capitão do Exército, mas soa-nos muito mais como um pejorativo, quase uma anedota, em que o Capitão, durante todo o tempo, conciso e determinado, como quem gerência uma pequena Padaria de âmbito familiar, demonstra o seu desgosto quanto ao Comandado receber no Palácio seus desafetos da Rede Globo, parecendo insinuar a suposta Infidelidade do Ministro, bem como dá um Pito em seus Comandados, Ministros outros que cita, quem estariam fazendo um viagem ao Estado do Pará, e promovendo Gestão própria de suas respectivas Pastas, sem participar ao Presidente, no caso, ao Dono da Padaria, enquanto expõe as Vísceras de Gestão do próprio Partido do Presidente.

 

“Crise” que deve acabar na manhã seguinte, assim que todos se esqueceram da suposta Infidelidade Partidária do Ministro Bebiano, “ O Watzapiano”, assim como da participação incomoda dos Meninos “Huguinho, Zezinho e Luisinho” no episódio, Bolsonaro, com a demissão, parece ter varrido a Crise para longe do Palácio do Planalto...

 

... até que outra, a qualquer pretexto, instalada pela Mídia arrebatadora, ou pelos Inimigos que Bolsonaro possui, pelo simples fato de ser Bolsonaro, se instale em Brasilia, DF !

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”,  SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.