BOLSONARO EM DAVOS ; “UM PRESIDENTE LIGHT DIET...”

  • Imprimir

Por : Pettersen Filho

Comparecendo em sua primeira viagem internacional, com menos de 20 dias no Poder, o Presidente recém eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, pouco falou e muito disse, em discurso de menos de seis minutos, quando teria direito de falar pelo menos trinta, no Fórum Econômico de Davos, tradicional reduto europeu, onde normalmente se reúnem, uma vez por ano, as maiores potências econômicas do Planeta, bem como os milionários proprietários das maiores corporações econômicas mundiais, debatendo temas do momento e caminhos a seguir.

 

“Gato Escaldado”, após passos infelizes enquanto em campanha, e ainda nos primeiros vacilantes dias no Poder, tal como pugnar pela transferência da Embaixada brasileira em Israel para Jerusalém Ocupada, contrariando o Mundo Árabe com quem nunca o Brasil teve problemas, importante parceiro econômico, e, depois das infelizes declarações de inconsequente restrição a China, atual maior parceiro em compras e vendas do Brasil, demonstrando abandonar a prioridade dos BRIC`s, realidade mais próxima a sua, em favor de alinhamento automático com os EUA, de Trump, com quem mais se identifica, em questões como abandonar o Tratado Climático de Paris, e contra a Globalização, ao invés dos Blocos, tal como Euro e Mercosul, Bolsonaro proferiu discurso comedido, em linhas genéricas, não agradando nem gregos, e nem troianos, sem deixar claro ao que veio, como não poderia deixar de ser, economizando, tanto palavras, como problemas.

Visto almoçando, como um simples mortal, em um bandejão de supermercado, sem a numerosa comitiva dos seus predecessores, e oratória vazia da Luta de Casses e do Embandeiramento do Evento, o cansativo e inócuo discurso do Politicamente Correto, Vaga na ONU, Efeito Estufa, e blá, blá blá, mera falácia, como era a constante de Lula, ao lado dos seus puxa-sacos e apoiadores, ao invés de empanturrar-se em banquetes sem sentido, rolex no pulso, Bolsonaro, contudo, falou para uma Davos esvaziada, sem os grandes lideres, tal como Putim, Trump, Macron, May e outros pares, mais voltados a atual realidade da suas políticas internas, Trump, Theresa e Macron paralisados por problemas em sua própria casa, e em decorrência do Boicote Americano-europeu à Rússia, ou a Guerra Comercial dos EUA x China, que tornam o próprio Davos, ora, sem sentido.

Discurso magro, magras intenções, magra exposição, sem falar ao que veio, ou por que veio, Bolsonaro veio e foi, mais mudo do que calado, como não poderia deixar de ser, diante de plateia ansiosa por ver possíveis gafes, ou que adiantasse Ele, diante de todos as suas possíveis estratégias, em oposição a gritante realidade de ter de deparar-se brevemente, em seu próprio pais, com medidas impopulares e drasticamente necessárias, de implantar uma moralidade pública e um contingenciamento fiscal, jamais vistos no Brasil, assim como a necessidade de impor uma imprescindível reforma previdenciária, tributaria e política, diante de um congresso metade inexperiente, metade arredio.

Enfim, Bolsonaro: “O Breve !?”

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.