BREXIT : “TODAS AS CULPAS DA PRIMEIRA MINISTRA BRITÂNICA THEREZA MAY...”

Por : Pettersen Filho

Conceitualmente uma “Ilha”, ou seja: “Um Pedaço de Terra cercado de Água por todos os lados”, como se aprende nas aulas de Geografia, ainda nos primeiros anos da Educação Fundamental, mas não a Inglaterra, mais próxima de ser “Um pedaço de Terra Inglês cercado por Não-ingleses por todos os lados”, a Inglaterra, desde a Era Vitoriana, seu Apogeu, e de Henrique VIII, passando por Napoleão Bonaparte, e o Bloqueio Continental, em que todos os países eram obrigados a não comerciar com a Inglaterra, País principal que formam o Reino Unido, ou a Grã-Bretanha, como gostam de ser chamados, além de Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, bem como países satélites que influenciam no restante do Mundo, Canadá, África do Sul e Nova Zelândia, principalmente, sempre se achou acima da Europa, e do Mundo, fruto de quase três séculos em que reinou, e preponderou, até o final declínio, na Primeira e Segunda Guerra Mundial, em que cedeu espaço aos EUA, sua Ex-colônia, hoje, o maior Império do Mundo, ora treme, ao ver-se na iminência de abandonar o Mercado Comum Europeu: Opção sua!

 

Não-mais a antiga Potência Naval, em que para dominar porções inteiras de Terra, Além-mar, bastava que a imbatível Esquadra Inglesa, acostasse, na China ou Índia, e rugisse seus canhões, para que dominasse os Sete Mares, de menos a Surra Militar que levou da Argentina, pasmem, na Guerra das Malvinas, um Exército menor e mal equipado, que afligiu pesadas baixas à Marinha Real, a Inglaterra sempre desfrutou de certas regalias na Zona do Euro, União Europeia, não adotando a Moeda Europeia, preservando a Libra Esterlina, por depois do Canal da Mancha, que a separa da Europa, e deteve a Invasão Espanhola, da Esquadra Invencível, tolhida por tempestade que a naufragou, e deteve, mesmo Hitler, outrora, não é mais o mesmo País, e, diante da Onda Migratória, há cerca de três ou quatro anos atrás, desde que os próprios Ingleses, Franceses e Americanos, desestabilizassem Iraque, Síria e Líbia, causando verdadeiras hordas migratórias ao Continente, a que se opôs receber Migrantes, Nação à parte, preferiu, em Plebiscito, não causado ou promovido pela atual Primeira Ministra, Thereza May, abandonar a Europa Unida, hoje o maior Bloco Eonômico do Planeta.

Ora, Thereza May, posta em Saia Justa, como “Mãe de Todos os Males” Ingleses, quem acaba de inaugurar estrondosa derrota no Parlamento Inglês, fruto de Voto de Desconfiança, que promete derrubar seu Governo, propondo, quiça, Governo Algum, e ver o seu Plano de Saída da União, rejeitado, e, possivelmente, abandonar a própria Zona do Euro, arrisca, de fato e de direito, afunilar-se em proposta hoje inviável, se não, amputadora da própria Segurança Inglesa, ao parecer optar por uma Aliança preferencial com os EUA, ao invés de Europeia, saída para a qual o próprio Parlamento, diante da Evasão de Capitais, e sentidos, agora não vê saída, a não ser depositar toda a culpa, e fracassos, à conta exclusiva e única da Primeira Ministra, Thereza May.

Trama, Dramalhão Mexicano, Novela à Brasileira, em que Mocinhos e Vilões se misturam, que, possivelmente  terminará na Beira do Abismo, ante ao evidente fracasso, de que abandone o Reino Unido a União Europeia, a Inglaterra, uma vez mais, e sempre, demonstra ao Mundo Globalizado, ser sempre, e unicamente, uma Ilha, longe de tudo e de todos, como sempre o foi, e será!?

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.