OEA E A SUSPENSÃO DA VENEZUELA : “QUANDO “O” NÃO É “A”

Por : Pettersen Filho

Criada sob Manto Protetor, e interesses, dos Estados Unidos, no auge da Guerra Fria, bem quando os Estados Unidos da América do Norte emergiram do Grande Conflito Mundial, a Segunda Guerra, em 1945, como a maior potência do Planeta, somente rivalizado pela URSS Comunista, justamente em apologia a Doutrina Moroe “A América para os Americanos”, ai entendida como todas as Américas, incluindo a Central e do Sul, a OEA – Organização dos Estados Americanos jamais teve muita relevância, a não ser garantir os interesses do Irmão do Norte, mantendo-se distante da órbita de influência Comunista, a não ser no caso de Cuba, com a ascensão de Fidel, logo excluída, 1961, e assim permanecendo até os dias de hoje.

 

Uma vez caindo o Muro de Berlim, 1989, e com o fim da URSS, 1991, as posteriores administrações, de Bush à Obama, não dispensaram maiores atenções para a Região, pouca importância inicial dando a Venezuela, de Hugo Chaves, e a sua Revolução Bolivariana, quase nenhuma oposição ofertando a UNASUR, uma espécie de sua contrapartida, por iniciativa da Venezuela Bolivariana, Bolívia, Equador, também Bolivarianos,  a Argentina de Kirtchner, e o Brasil de Lula, mais à esquerda dos EUA, ainda assim, mais proselitismo político, do que Organização efetiva.

Uma vez morto Chaves, igual a Argentina, de Peron, ou o Brasil, de Getúlio, totalmente incapazes de permanecerem com seus respectivos legados, e mesma linha nacionalista, com a recente eleição de Trump, representando uma guinada mais conservadora, até ultradireitista, da América do Norte, aliados ao fim dos mandatos de Lula e Cristina, novo enfoque dos EUA, quanto a extensão dos seus domínios, ora, dá novo respiro à OEA, em ação orquestrada com as atuais administrações de Brasil e Argentina, no sentido de suspender a Venezuela “Rebelde” dos seus quadros, aumentando a pressão política sobre Nicolas Maduro, a quem atribuem o titulo de “Usurpador” da Venezuela, questionando a recente eleição no País.

Manobra já dantes vista, conforme agem os EUA ao apoiarem inescrupulosamente Israel, e seu Genocídio Palestino, e tal como promovem sanções contra a Rússia, Irã, Síria, ou quem quer que lhes desagrade, parece-nos, sim, que muito provavelmente a Venezuela será a Bola da Vez: Suspensa.

... mas, isso não significa nada, afinal sabemos muito bem, com o passar dos anos, apesar de proposição aparentemente afirmativa, em fonética ou sonoridade, “Neologismo”, diante das regras gramaticas da Língua Portuguesa, que,  para a OEA, “O”, não é “O”, “A” nunca foi verdadeiramente “A”, mas sim, tudo isso, mera vassalagem americana...

A força do “Petróleo” Venezuelano que ergue, e destrói, coisas belas, diria o Poeta!

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO