PARALELO HISTÓRICO : “A COLUNA PRESTES E A CARAVANA LULA”

Por : Pettersen Filho

Personagem de personalidade peculiar, bipolar ou psicopata, para não dizer mais, recentemente, convertido à condição de Candidato Ficha Suja, uma vez condenado em segunda instância, a mais de doze anos de prisão, por corrupção, enriquecimento ilícito, crime lesa Pátria, e outras capitulações mais, mediante fartas provas atestadas pela Operação Lava Jato da Polícia Federal, naquele que ficou conhecido como o maior Esquema de corrupção do Planeta, Luís Inácio Lula da Silva, antecipando a Campanha Eleitoral de 2018, ainda sequer deflagrada pela Justiça Eleitoral, objetivando contrapor-se aos fatos, encampou essa semana uma Jornada, pensa ele, Épica, de cruzar o País de Sul a Norte, começando ele, que não trabalha, justamente pelo Rio Grande do Sul, um dos grandes celeiros, Produtor de Trigo, Arroz e Milho, prontamente rechaçado com piquetes, ovo podre e balas, numa rejeição histórica sem precedentes.

 

 

Acostumado a referir-se, quanto a ele mesmo, dentre os embates que trava com a Justiça, como “Jararaca”, Cobra Venenosa, o Ex-presidente, sequer esperava tal rejeição, justo ele, que possui, sem duvidas alguma, uma trajetória no mínimo ousada, ao sair do Sertão Nordestino, de Pernambuco, num Pau de Arara, e, dento de condições e contexto único, tornar-se um Político, até então bem sucedido, e efetivo Presidente da República, nos braços do Povo, em votação histórica, até que a verdade dos Tribunais retirasse de si tal manto, ao comparar-se vez ou outra, a grandes lideres, outrora, dessa Nação, ou mesmo personagens da Bíblia Sagrada, ao começar, quase sempre, os seus discursos megalomaníacos, no auge do seu Governo, com palavras tais: “Nunca Antes, na História desse País”, alardeando seus feitos, e obras faraônicas, sempre salpicadas, provou-nos a História, com verbas de comissionamento e de corrupção, tal como, ao sobrepor o próprio Moisés Bíblico, ao cruzar o Mar Vermelho com o Povo Judeu rumo à Terra Prometida, verdadeiro larápio, quando anunciou a transposição do Rio São Francisco, Obra Bilionária e inacabada, ou ao comparar-se a JK, com seus “Cinquenta Anos de Corrupção, em apenas Cinco Anos”, ou ao querer equiparar-se ao próprio Presidente Vargas, “Pai dos Pobres” e Trabalhistas brasileiros, com sua CLT, Direitos Sociais, ao disseminar o Bolsa Família, entre seus correligionários e apoiadores políticos, ora tido como o maior Cadastro de falcatruas e fraudes do Planeta, capaz de institucionalizar, mesmo, a Corrupção no Brasil, como método de Governo.

 

Episódio que, guardadas as devidas proporções, tenta reeditar, em projeção e envergadura, o Movimento conhecido na História como a “Coluna Prestes”, de 1925/27, que percorreu o Brasil da República Velha, dos Coronéis e da Politica do Café com Leite, que mantinha Minas Gerais e São Paulo no Poder de uma República Oligárquica, comandada pelo “Cavaleiro da Esperança”, esse sim, o Comunista Carlos Prestes, que denunciou mazelas sociais e pregou o voto secreto, conduzido por Tenentes dissidentes do Exército brasileiro, sem, contudo, fazer-se ouvir plenamente, repleta de embates e miséria, a Caravana Lula, no entanto, navega em confortáveis Ônibus Fretados, pagos à régias verbas de Corrupção, e desvios, amealhados em seu temerário Governo, antes mesmo que o próprio TRE autorize o processo eleitoral, e parte, data máxima vênia, de preceitos e motivos fúteis, tentando salvar do Cadafalso, não um Pais, mas a cabeça inescrupulosa de um Ex-presidente, e a própria República dos Sindicatos, Movimentos Sociais, UNE, MST e CUT, regida por ele, totalmente cooptados por verbas públicas e comodidades patrocinadas pela “República à Lula”, ou do “Pão com Salame ou Mortadela”, em alusão ao lanche oferecido aos seus correligionários, contratados para Bico Eleitoral, a troca de lanchinhos, mais míseros vinte reais por dia, estratagema de causar inveja a própria Política do Café com Leite, e aos antigos Coronéis de Cabresto do Nordeste Brasileiro, cujo semblante e eficácia, é Lula hoje a sua maior expressão.

 

“Oh, vida, oh Céus, oh Azar” diria a hiena do desenho animado: “Isso não vai dar certo !”:

 

Que me perdoem as galináceas, mas: “Ovo nele!”