CÂMARA FORMA COMISSÃO: “FAKE NEWS OU CENSURA ?”

Por : Pettersen Filho

Dono e Senhor de uma das Legislações mais modernas do Mundo, inserida no Marco Regulatório Civil, ainda fresquinho, recém  aprovado pelo Congresso Nacional, que assegura a Acessibilidade à Rede Mundial de Computadores e Regula a Internet, sabatinado e discutido pela Sociedade brasileira, ainda ontem à tardinha, preocupados com a escala que a internet, e a comunicação virtual, alcançou no País, quase impossível de Censurar, não necessariamente presa aos velhos Oligopólios da Comunicação, Concessão de Tevês e Rádios Públicas, geralmente pertencentes aos Políticos da Situação, e representando seus exclusivos interesses, justamente agora, que se aproximam as Eleições, a Câmara dos Deputados, em Brasília, já se articula, para conter as chamadas “Fake News”, no bom Português, as Notícias Falsas na internet, que podem contaminar as Eleições.

 

 

Expressão cunhada, ou pelo menos, mais conhecida durante a Campanha Presidencial Norte Americana, dizem que influenciadas pela própria Rússia, ao formar Falsos Perfis (ou Primaveras Árabes perfeitas, que derrubaram Regimes Anti-americanos na Líbia, Síria, Egito, Tunísia e Iraque), para prejudicar Hillary Clinton, definitivamente decisivos para a suposta vitória de Donald Trump, ora objeto de investigações pelo próprio Serviço Secreto Americano, as tais “Fake News”, eram, no caso de Trump, a imputação mais imediata, e simplória, de repulsar seus inimigos, em especial a Imprensa tradicional, quando acuado, ou questionado, oportunidade em que chamava os Jornalistas, sendo ou não sendo Fake News, de “Mentirosos”, jogando verdade e mentira numa mesma, e impossível, vala comum...

 

Sociedade bastante aberta, a Americana, com padrões históricos de Resistência, e Formação Cívica, que reportam a própria Revolução e Guerra de Independência Americana, onde as Instituições, e Imprensa, são fortes, se o tema: “Mentira” na internet, é capaz de quedar uma Nação de valores tão arraigados, como a Americana, onde fontes e procedência podem, e são, muito facilmente apuradas, no caso do Brasil, cuja Democracia conturbada, e momento Político adverso, extrema radicalismos, como agora, tal matéria, ou abordagem, Pré-eleição, soa-nos, minimamente, como Manobra ardilosa de nossos Políticos, totalmente desmoralizados, no Jogo do Toma Lá e Me Dá Cá, de venda de votos e compra de emendas legais, praticados no Congresso Nacional, tão evidenciado pela Operação Lava Jato, em que paixões afloram, e verdade, ou mentira, são comprados, por Blogs e Marqueteiros, montados as pressas, antes das Eleições.

 

Parece-me, muito claramente, que tal Comissão, a das Fake News, se prestará tão somente para elaborar Leis de afogadilho, próprias a retirar da  internet, conteúdo que comprometa a Carreira de Falsos Salvadores da Pátria, ou Políticos Corruptos, tudo à titulo de garantir-lhes a Reeleição.

 

Por isso, “Olho neles, minha gente”, afinal poderemos muito bem obter, ao fim disso tudo, da trama, ao invés de uma “Lei das Fake News”, sim, outra coisa, mas uma “Lei das Falsas Reputações” ou da Censura Desengavetada.

 

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.