ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RIO DE JANEIRO : “QUANDO O PAU QUE DÁ EM TEMER DÁ EM PICCIANI...”

Por : Pettersen Filho

Espelhada na Câmara Federal de Deputados, em Brasília, que trancou a Ação Penal da PGR contra Michel Temer, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em votação relâmpago, está para revogar a Prisão decretada pelo TRF contra Picciani, Deputado Presidente da Casa, e outros dois Colegas do PMDB, flagrados em Prisão Preventiva por Crime de Corrupção junto a Federação de Transportes do Estado, mesmo estando solidamente comprovado tal cometimento.

 

Impunidade que não se vê no País, desde que, na Década de Setenta, a Sua Majestade, Rainha da Inglaterra concedeu, na ficção das telas de cinema, permissão para matar ao Agente 007, James Bond, muito embora a Polícia Federal, representando o Poder Executivo, recolha provas, e forneça subsídios para que o Ministério Público Denuncie, e, muito embora, porém, e contudo, o Judiciário aceite a Representação, é quase impossível punir um Político com Mandato Parlamentar no Brasil, devido ao Forum Privilegiado, e a Prerrogativa que se conferiu, morbidamente, no Caso Temer, agora extensiva a todas as Assembleias Estaduais do Brasil, quiça, Câmaras Municipais, a quem se conferiu o Poder de Revogar a Prisão do Parlamentar, e, além, Trancar o Processo Penal, porquanto suposta imunidade ou Independência dos Poderes.

Sem que esteja Eu, aqui, fazendo Apologia ao Crime, elemento surpresa, neste cinema macabro, contudo, bem que poderia o Povo do Rio de Janeiro, atolado em Corrupção, Guerra Civil inconfessa, salários atrasados, rebelar-se, e derrunar a Bastilha Carioca representada pelo seu Parlamento Estadual...

Mas, coisa boa não acontece!?

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadão”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico da ABDIC.