ARTHUR SOARES FILHO : “ESTÓRIAS DO REI ARTHUR, OS CAVALHEIROS DA TÁVOLA REDONDA E A CORRUPÇÃO NO RIO DE JANEIRO”

Por : Pettersen Filho

Numa intangível inversão de valores, segue foragido o chamado “Rei Arthur”, o “Empresário” Arthur Soares Filho, assim conhecido devido ao seu trânsito perante o Governo do Estado do Rio de Janeiro do Sérgio Cabral & seus Asseclas, bem diferente da Lenda Britânica do Rei Arthur, de “A Espada era a Lei”, em que o Jovem Rei, virtuoso, conseguiu arrebatar a Espada,

 

sinônimo de Poder e Caráter, da Pedra em que estava encravada, de quem apossou-se o Empresário também o nome, e os seus Cavalheiros Honrados, do Conto do Rei Arthur, cujos valores de Lealdade, Hombridade e Honradez eram a máxima, bem ao contrário do esquema fraudulento de desvios e propina arquitetados por Cabral e Arthur no Estado, desvendado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal... http://www.paralerepensar.com.br/paralerepensar/publicacoes.php?opc=editar&id_publicacao=46667

 

Preso numa Penitenciária estadual, Cabral, já condenado há pelo menos 45 anos de Prisão, enquanto detalhes e mais detalhes do Crime arrebata Secretários de Estado, Juízes do Tribunal de Contas, e a Nata do Empresariado Fluminense, Eike Batista dentre eles, o Estado do Rio de Janeiro, falido, e tomado pela Guerrilha Urbana representada pelos narcotráfico, que se rivaliza com o Estado instituído Corrupto, parada que nem mesmo o próprio Exército brasileiro sabe desvendar, é a CEDAE – Empresa de água e saneamento do Estado, dada em garantia a empréstimos de Socorro ofertados pelo Governo Federal, a próxima Pilha, ofertada em caução ao endividamento, e recursos repassados com aval da União ao Estado, numa Privatização elucubrada, mais, como o foi a CEMIG (http://www.abdic.org.br/index.php/1831-o-leilao-das-barragens-da-cemig-dai-a-cesar-o-que-e-de-cesar-e-dai-a-cesar-o-que-e-de-deus ), à iniciativa “privada”, diga-se lá, nesse caso, mais que privada, sempre ávida a espoliar o Patrimônio Público, e o Estado brasileiro, por meio da má gestão, intencional, dos seus Agentes Políticos, como o é o caso de Cabral, em nível de Estado, e o próprio Temer, na esfera Federal.

Assim é que o Povo brasileiro, enquanto carrega o Andor, assiste a mais uma Lenda, cujos personagens, Cabral, Arthur, Moreiras e Padilhas, desfilam nas Páginas desse verdadeiro “Conto de Vigários”, até blindados pelo Senado da República, a mais alta Casa Legislativa do brasil, que se recusa a entregar à Palmatória seus membros apodrecidos, impunes e inatingíveis, na eterna Lancelot (lendário Reino de Arthur) Brasil, cujos Heróis mais se parecem Bandidos...

Que o verdadeiro Rei Arthur, o da lenda, mãos enristes, com a sua Espada, nos valha!!!

Antuérpio Pettersen Filho, membro da IWA – International Writers and Artists Association, é advogado militante e assessor jurídico da ABDIC – Associação Brasileira de Defesa do Individuo e da Cidadania, que ora escreve na qualidade de editor do periódico eletrônico “Jornal Grito do Cidadã”, sendo a atual crônica sua mera opinião pessoal, não significando necessariamente a posição da Associação, nem do assessor jurídico