PROFESSOR DE DIREITO CONSTITUCIONAL-PRESIDENTE DO BRASIL NÃO RENUNCIA

 

 Por : Prof. GUILHERMINA COIMBRA

Um Professor de Direito Constitucional na Presidência da República não renuncia, por maiores que forem as pressões.

A renúncia à Presidência da República é um tipo de expediente velhaco, enganador, irresponsável perante os cidadão do país que preside, apesar de apresentada ao Presidente do qual os interesses contrariados esperam a renúncia – como forma honrosa.

A renúncia não é forma honrosa

 

Vide exemplos históricos nos quais jamais ficam bem esclarecidos as razões de fato e de direito motivadoras das renúncias. No Brasil, a única renúncia esclarecida e bem motivada foi a renúncia do Presidente João Goulart.

 

Os recentes fatos ocorridos no Brasil foram mais uma tentativa de paralisar o Brasil - ou, no mínimo mais uma tentativa de “bagunçar” o Brasil, em represália aos fortes e poderosos interesses contrariados.

Entenda-se como interesse principal contrariado, a entrega para os interessados, das fontes geradoras de energia esgotáveis que jazem no território do Brasil.

 

A resistência justa em não  entregar para os interessados, o direito de autonomia do Brasil – garantido pela Organização das Nações Unidas/ONU - em administrar as fontes geradoras de energia esgotáveis que jazem no território brasileiro tem sido habitualmente a causa das renúncias, desde os tempos do Governo de Getúlio Vargas.

 

Assim, o atual Presidente do Brasil (Professor de Direito Constitucional) fez bem em dizer categoricamente ao Brasil e ao mundo que não renuncia.

O mundo ouviu.

Em não renunciando, será uma violência – testemunhada pelo mundo - tudo o que vier no sentido de retirá-lo da Presidência.

 

E como se sabe, os interessados em continuar bagunçando o Brasil - embora violentos - gostam da parecer “pacíficos” e “democráticos”perante o mundo.

 

A luz do senso comum, já é mais do que tempo de parar de dissimular desconhecimento das verdadeiras causas – entrega das fontes geradoras de energia esgotáveis do Brasil - uma ciranda ridícula de apoio e retirada de apoio aos Presidentes do Brasil.

 

Os Presidentes do Brasil têm sido retirados,  repetitivamente, de acordo com conveniências  óbvias – repetitiva e absolutamente contrárias aos interesses do mundo e dos residentes no Brasil.

Se os interesses dos residentes no Brasil não interessam – os interesses do mundo interessam e muito - ao mundo.

 

Sim, porque o mundo e os interesses do mundo – absolutamente, não se compõe nem se restringem aos interesses dos Membros da Organização do Tratado Atlântico Norte/OTAN. Os interesses dos Membros da OTAN de se apossarem das fontes geradoras de energia não representam os interesses do mundo.

 

À população brasileira não interessa – assim como, também, não é interesse do mundo - o estado de convulsão social do Brasil celeiro do mundo, de onde as empresas multinacionais retiram e remetem para as respectivas matrizes os seus maiores lucros.

 

Há que se desmascarar sem tréguas os grupos, grupinhos e grupelhos ignorantemente ridículos, cujos interesses estão a patrocinar tais badernas imediatistas baratas no território do Brasil.

 

A população brasileira perspicaz e bem humorada é amiga.

 

O Brasil merece respeito.

 

*Currículo Lattes; Pesquisadora CNPq, CAPES, FGV-Rio.