SALVAR A EUROPA OU AS SUAS NAÇÕES ?

Por : António Justo

Na Europa assiste-se a uma onda de indignação contra a onda do nacionalismo crescente que indignado reage contra transformações políticas, económicas e sociais, sentidas como ameaças à própria identidade e aos bens adquiridos. A União Europeia insurge-se contra os europeus e os europeus insurgem-se contra a Europa.

 

 

Concorrência no mercado das opiniões

 

A ideologia socialista que num primeiro momento da industrialização se revelou oportuna precisaria de uma revisão radical, para se não tornar prejudicial, num momento da História que precisaria de maior tempero e equilíbrio na rapidez do progresso para se proporcionar um desenvolvimento sustentável mais adequado às pessoas e aos povos. O mesmo se diga do capitalismo liberal!

 

A ideologia nacionalista, como sintoma de crise e de instabilidade económica e social, corresponde à maré vazante depois de uma maré cheia anterior (de melhor bem-estar económico e social) demasiadamente aberta, virada para fora, para a expansão e desacautelada em relação ao próprio centro (os interesses do próprio Estado, da cultura e da economia nacional foram negligenciados e a imigração muçulmana, incontrolada e, em parte, incontrolável, atenta contra a unidade cultural continental). Uma cultura prematuramente aberta e apressada questiona o próprio desenvolvimento orgânico e ordenado, a que poderia chegar com mais eficiência em ritmo menos acelerado.

 

O nacionalismo começou a ganhar maior expressão com a revolução francesa e especialmente com a revolução industrial inglesa que desestabilizou a ordem social, ao provocar a emigração dos lavradores e dos aldeões para as cidades.

 

De aldeão para cidadão

 

Com o abandono da terra e do campo e com a consequente concentração do povo nas cidades deixa de valer a estabilidade de uma economia de caracter familiar para se passar para uma economia de caracter individual mais acentuada no capital. Passa-se das famílias alargadas para as famílias pequenas - estas condicionadas por uma economia de proletariado agarram-se a novas mundivisões).

 

A insegurança do indivíduo na cidade e a instabilidade política citadina teve como consequência o fomento do individualismo que passa a procurar a segurança na nação (Um certo patriarcalismo familiar desaparece e o indivíduo, longe dos seus, procura o seu substituto na nação). A emigração do povo do campo para a cidade leva-o a deixar a igreja na aldeia e a desvalorizar a importância da família alargada (actualmente até a família pequena é posta à disposição dos maiores ataques). Nas cidades as torres da Igrejas começaram a ser atafegadas pelas chaminés das fábricas e pelas torres dos bancos. Mudam-se os costumes mudam-se as mentalidades.

 

A concentração das pessoas na cidade cria um novo tipo de pessoa: surge o cidadão a tecer novos sonhos que posteriormente se revelam, também eles, sem asas, com as naturais desilusões.

 

A família, a geografia, o campo e a agricultura deixaram de ser garantes de valores duradouros e de estabilidade a nível individual e social. O indivíduo distancia-se e afirma-se perante a família: destrona-se o pater famílias, destrona-se o rei; o nós das famílias transpõe-se para o nós nacional.

 

Surge o indivíduo isolado, com menos laços; o que vale agora é a força de trabalho e o capital que ela produz; o citadino, procura agora a estabilidade social e afectiva em novas ocupações e organizações; a vida da polis, a organização laboral e do Estado, fomentam nele o sentimento nacional.

 

A República vai-se afirmando como barco no mar revolto e o cidadão já não vê outra perspectiva senão agarrar-se ao nacionalismo, quando as ondas da economia tumultuosa do século XIX e do início do século XX assolaram as cidades.

 

Uma crise económica e social na Alemanha, na sequência do acordo de paz de Versailles (imposto à Alemanha em 1919), revela-se como acordo fomentador do nacionalismo porque ao estagnar a economia alemã cria instabilidade social que leva ao nacionalismo que preparou a segunda guerra mundial.

 

A solução é ambivalente: Salvar a UE e/ou salvar o destino dos países

 

A crise económica e financeira de 2008 transbordou de tal modo que castigou a classe média e média inferior, aquela que é a base da sustentabilidade das sociedades nos Estados.

 

O Brexit é a consequência e expressão séria do nacionalismo que por todo mundo efervesce. De facto, os políticos da EU que representam os interesses das organizações e relações internacionais encontram-se num beco aparentemente sem saída. Efectivamente, a Europa encontra-se numa situação ambivalente entre os interesses nacionais e os interesses civilizacionais continentais (em concorrência com outras civilizações).

 

Muitos representantes das nações sentem que para resolverem os problemas nacionais teriam de quebrar com as relações da UE (como faz o Reino Unido). A situação é desesperada porque a tentativa de resolução de uma situação pressupõe o ataque à outra de que também se depende. Por um lado, o desenvolvimento da civilização ocidental exige de si uma organização supranacional;  por outro lado, o não desenvolvimento de muitíssimos países no sentido de consciência nacional, de povos nação (típico europeu) exigiria um abrandamento no desenvolvimento do centralismo europeu até agora seguido no sentido de formação de um bloco coeso; o abrandamento teria como consequência o fortalecimento das culturas nacionais a nível mundial e  proporcionaria mais tempo de formação da consciência nacional a países a que o sentimento de Estado-povo-nação não é próprio, devido a uma socialização de tipo mais regional e tribal e a uma outra velocidade civilizacional.

 

As nações não podem sobreviver sós. Surge a ambivalência: salvar a União Europeia ou salvar o destino dos países. Por outro lado, em situação de crise quem difama a ideologia nacionalista esquece que o convívio internacional tem o seu substrato e legitimação nas nações. As relações internacionais e mundiais baseiam-se numa estrutura social e geográfica de um mundo que consta fundamentalmente de nações e a sua destruição conduziria a um internacionalismo caótico que só favoreceria ideologias extremas de uma esquerda improdutiva e ao atropelamento do desenvolvimento de povos (por ex., países africanos delineados pela régua e regras de protectorado) que ainda não sofreram os processos de desenvolvimento social e políticos  a que esteve sujeita a Europa na sua longa história de cultura, conflitos e concorrências que a levaram ao que se tornou no pós-guerra.

 

No meio de tudo isto, e para colocar algumas achas na fogueira do nacionalismo, temos os estados soberanos em dívidas e uma Alemanha, que, em nome da EU, obriga os estados membros a receberem os refugiados muçulmanos que além de gastos trazem consigo problemas exclusivos e o aumento da ameaça. O agir da economia e da política favorece o nacionalismo e este, por sua vez, legitima o autoritarismo e a intolerância. Uma política da ambivalência gera dependentes e fanáticos.

 

A acentuação do imperialismo na EU tem desrespeitado uma digna autodeterminação das nações; para as nações economicamente menos fortes o mercado livre e aberto vai contra os interesses nacionais porque não têm capacidade tecnológica de concorrerem com os mais fortes nem capacidade competitiva na concorrência com economias mais fracas devido a ordenados e estatuto de trabalhadores mais baixos.

 

A classe dominante ocidental queixa-se do nacionalismo russo e chinês e vê-se confrontada com a cultura árabe de caracter hegemónico. Levada pela força da inércia não muda de estratégia e adia o encontro de soluções aferidas e válidas.

 

O nacionalismo e a ideologia hegemónica legitimam o autoritarismo e até a ditadura como se observa no fenómeno Erdogan e Turquia. São fenómenos que incrementam a desconfiança contra o vizinho e, como tal, tornam-se nos melhores armeiros do futuro. Cada sociedade tem a sua economia e as suas crises e gera em cada tempo a ideologia do mainstream e ideologias acompanhantes; de momento garça o nacionalismo de um lado e o esquerdismo do outro, as melhores forjas do fanatismo e do dogmatismo da opinião.

 

A Europa já sente o rumor do nacionalismo no seu ventre. Os EUA, para legitimar novas tomadas de posição, puxam agora do trunfo nacionalista na luta contra a concorrência chinesa que tem beneficiado da economia liberal que deu origem a um grande défice comercial americano em relação à China.

 

Grupos extremistas são os beneficiados de guerras, crises e do caos. Importante é que governantes e governados não percam a cabeça porque o nacionalismo é um tubo de escape em situações de crise; afinal, uns e outros formam a mesma nação; o que seria mais apropriado para uns e outros seria um patriotismo moderado.

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo (História e Português)

Pegadas do Tempo, http://antonio-justo.eu/?p=4230