A INTELIGÊNCIA E A PACIÊNCIA DA POPULAÇÂO BRASILEIRA

Por : Profa. Guilhermina Coimbra

Paciente e estoicamente a inteligente população brasileira observa as carências do Brasil não supridas. Todas, por má administração do dinheiro público brasileiro.

A população brasileira estoicamente assiste o dinheiro público do Brasil, ser desviado para suprir necessidades fora do Brasil, prejudicando o atendimento às necessidades dentro do país – Saúde, Educação, Infra estrutura.

A paciente e atenta população brasileira observa os seguintes investimentos - cuja destinação prioritária deveria ter sido a de suprir carências dentro do Brasil - suprirem carências fora do Brasil:

 

 

- 6,5 bilhões de reais em obras na República Dominicana;-1 bilhão de reais/ano de mesada ao “Mais Médicos” em Cuba; -  US$ 2,9 bilhões investidos a fundo perdido na construção da primeira fábrica de medicamentos contra AIDS em Moçambique, África; fazendas experimentais, de arroz no Senegal e de algodão em Mali; - projetos agropecuários, de combate ao trabalho infantil e de capacitação de docentes para o ensino de português no Timor-Leste; - US$1,22 bilhão investidos na construção de uma 2ª ponte de 3.156 m sobre o rio Orinoco, Venezuela; - US$1,5 bilhão na construção de um trem subterrâneo na Argentina: o soterramento do FERROCARRIL SARMIENTO, ligando Buenos Aires a Moreno; - US$1 bilhão para o metrô Cidade do Panamá, Panamá; - US$900 milhões de perdão de dívidas a ditaduras africanas para com o Brasil; - US$792,3 milhões de prejuízo na compra da refinaria de Pasadena, Texas, EUA; - US$ 732 milhões na construção do Metrô de Caracas, Venezuela; - US$692 milhões para o Porto Mariel, Cuba; - US$636,8 milhões na expansão de gasodutos da distribuidora CAMMESA, Argentina; - US$400 milhões em auxílio para compra de alimentos para Cuba; - US$200 milhões para compra de máquinas agrícolas para Cuba (Bolsa Agrícola cubana); – US$243 milhões para a hidrelétrica de Manduriacu, Equador; - US$320 milhões para hidrelétrica de Chaglla, Peru; -US$152,8 milhões para a autopista Madden-Cólon, Panamá; -US$180 milhões para construção do aqueduto do Chaco, Argentina; -US$350 milhões na construção da barragem de Moamba Major, Moçambique, África; - US$125 milhões na construção do aeroporto de Nacala, Moçambique, África; -US$103 milhões no parque eólico Artilleros, Uruguai; - US$180  milhões na construção do metrô de superfície em Maputo, Moçambique; - US$343  milhões na construção da Hidrelétrica de Tumarin, Nicarágua; - US$125  milhões na Hidrelétrica de San Francisco, Equador; -US$280  milhões para a ampliação da rodovia Centro Americana, na Guatemala; -US$10  milhões na construção de um hospital n Palestina; - US$ 230  milhões na construção de rodovias do Projeto Hácia del Norte, Bolívia, 100% financiado com dinheiro brasileiro; –121 bilhões de reais desviados da PETROBRÁS; -12,6       bilhões de reais repassados a 7.700 ONGs, 2007-20015; - 9 bilhões de reais com publicidade do Governo Federal, de 2011-2015; –1 bilhão de reais ao MST e outros Movimentos; -154    milhões de reais com cartão corporativo (gastos secretos); - 6,5 bilhões de reais em obras na República Dominicana; - fazendas experimentais de arroz no Senegal e de algodão em Mali; projetos agropecuários, de combate ao trabalho infantil e de capacitação de docentes para o ensino de português no Timor-Leste, e a implantação de bancos de leite humano de 22 países da África; – US$ 1,5 bilhão de prejuízo naquela falsa tomada de assalto às refinarias da PETROBRÁS na Bolívia; -US$1,22 bilhão na construção de uma 2ª ponte de 3.156 m sobre o rio Orinoco, Venezuela; -US$1 bilhão para o metrô Cidade do Panamá, Panamá; - US$900 milhões de perdão de dívidas a ditaduras africanas para com o Brasil; -US$792,3 milhões de prejuízo na compra da refinaria de Pasadena, Texas; - US$ 732 milhões na construção do Metrô de Caracas, Venezuela;-US$692 milhões para o porto de Mariel, Cuba; - US$400 milhões em auxílio para compra de alimentos para Cuba;-US$200 milhões para compra de máquinas agrícolas para Cuba(bolsa agrícola cubana);–US$6 milhões para melhorias no porto de Mariel, em Cuba;-US$243 milhões para a hidrelétrica de Manduriacu, Equador; -US$320 milhões para hidrelétrica de Chaglla, Peru;-US$152,8 milhões para a autopista Madden-Cólon, Panamá;-US$180 milhões para construção do aqueduto do Chaco, Argentina;-US$350 milhões na construção da barragem de Moamba Major, Moçambique; - US$125 milhões na construção do aeroporto de Nacala, Moçambique; -US$103 milhões no parque eólico Artilleros, Uruguai; - US$180  milhões na construção do metrô de superfície em Maputo, Moçambique; - US$343  milhões na construção da Hidrelétrica de Tumarin, Nicarágua; - US$125  milhões na Hidrelétrica de San Francisco, Equador; - US$ 230  milhões na construção de rodovias do Projeto Hácia del Norte, Bolívia, 100% financiado com dinheiro público brasileiro, com o objetivo de facilitar o escoamento da produção boliviana.

 

São bastante esquisitas as referidas aplicações de dinheiro público fora do Brasil, considerando as carências não supridas dentro do Brasil.

A população brasileira percebe que continuam ganhando muito com intermediações prejudiciais aos interesses da população do Brasil - à custa do que pensam ser, a ignorância da população brasileira.

 

Inexiste ao redor do mundo desenvolvido população mais caridosa, prestativa, solidária, amiga e paciente do que a população brasileira.

 

Mas, a população brasileira amiga, solidária, prestativa, paciente – e haja paciência - não é acéfala.

Inteligentemente verifica que, em absoluto, não há como justificar, para concordar, que dinheiro público brasileiro - indispensável para suprir carências do Brasil - sejam desviados para suprir carências fora do Brasil carente.

 

Dinheiro é mercadoria como outra qualquer. Quando se tem muito há que se liquidá-lo de modo que reverta em benefícios e jamais cause prejuízos.

Entretanto, a população brasileira atenta e perspicaz verifica que o excesso de liquidez do Brasil não está sendo revertido em benefícios dos residentes no Brasil. O excesso de liquidez do Brasil – comprovados através dos empréstimos concedidos – tem que ser aplicado no Brasil.

 

Os governantes do Brasil têm que respeitar a inteligência e a capacidade de observação da população brasileira, parando de justificar a inércia e a morosidade na destinação de recursos do Brasil para as áreas carentes e as áreas produtivas – construção civil, por exemplo -  com lamuriosos e ridículos queixumes de “falta de dinheiro”do Brasil.

Dinheiro há, sempre houve – basta examinar  a derrama de dinheiro público motivador das Operações da Polícia Federal em andamento.

 

Pesquisar cada informação para comprovar é mais do que preciso.

 

O Brasil merece respeito.

*Curriculo Lattes, Pesquisadora CNPq, CAPES, FGV-/RJ..