POBRE UCRÂNIA : “LONGE DA EUROPA E PERTO DEMAIS DA RUSSIA...”

  • Imprimir

Por : Pettersen Filho

 

Tratada como uma espécie de Mercadoria, no “Cabo de Guerra” que se formou em plena Eurásia, porção de terra que separa a Rússia da Europa, a Ucrânia, tradicionalmente aliada da Rússia, até que a queda do Regime Comunista na União Soviética, em 1991, lhe trouxe certa independência, muito embora, visceralmente unida “para todo o sempre”, por meio de estradas, economia e etnia a própria Rússia, a Ucrânia tem pendulado entre a Europa Ocidental, e a Rússia, num Jogo Perigoso e Mortal, ora com Governos, mais, ou menos, tendentes a se inclinar para um lado, ou outro, realidade que, infelizmente, tem levado o País ao esfacelamento Político, até, Econômico.

 

Detentor de riquezas minerais, Ferro, Carvão, Gás e Petróleo, cuja rota natural de acesso Russo ao Mar Negro é essencial, cuja principal Base Naval Russa é localizada na Criméia, ao Sul do País, não se pode conceber, estrategicamente falando, uma Rússia que, geopoliticamente, possua alguma segurança regional, sem tal acesso, cercada que está pelo Mar Nórdico e Siberiano, na maior parte do ano congelados, o que torna a Rússia, enfim, refém do seu próprio gigantismo.

Desde a deterioração da União Soviética, em que a Rússia, principal gestor daquela “União”, que englobava as ora Províncias Rebeldes da Ásia Central, que atinge hoje as atuais “Republicas do Azerbaijão”, e outros “tãos”, na fronteira conturbada de Iraque, Irã Turquia e China, afora o paralelo de perder territórios de sua influência, desde a Alemanha Oriental, Polônia, e Iugoslávia, cada vez mais vem a Rússia, antiga Potência Nuclear dos Tempos da União Soviética, de quem é herdeira Militar e Política,  sendo premida, empurrada para os seus limites internos, nos Montes Urais, num conflito mudo, mas eloqüente, com a União Européia e sua sede de expansão geográfica, agora, batendo às portas da Ucrânia.

Situação que deve se degenerar, é de uma inocência franciscana achar o Ocidente, leia-se Europa e Estados Unidos, que o “Velho Urso Soviético”, embernou para todo o sempre, e que a Rússia, uma vez confrontada, não lutará pelos seus domínios, e posses naturais.

País que não possui a simplicidade, nem a dimensão da Síria, ultimo objeto de disputa entre Ocidente e Oriente, em tempos modernos de não-mais Guerra Fria, a temperatura promete esquentar, até com a possível Intervenção Militar Russa no País, ante a declarada ambição, e intervenção, da União Européia nos domínios da Rússia, e da própria Ucrânia.

Quem apostar em contrário, por certo, perderá...

Penso que, reprisando ditado dos Antigos, por certo, estão ...”Cutucando o Urso com vara Curta”.

 

Crônica postada originalmente em www.paralerepensar.com.br

 

ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO, MEMBRO DA IWA – INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS ASSOCIATION É ADVOGADO MILITANTE E ASSESSOR JURÍDICO DA ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA, QUE ORA ESCREVE NA QUALIDADE DE EDITOR DO PERIÓDICO ELETRÔNICO “ JORNAL GRITO CIDADÃO”, SENDO A ATUAL CRÔNICA SUA MERA OPINIÃO PESSOAL, NÃO SIGNIFICANDO NECESSARIAMENTE A POSIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO, NEM DO ADVOGADO.